PCP exige "suspensão e reversão imediatas" dos despedimentos na Global Media

Grupo anunciou esta sexta-feira o despedimento de 81 trabalhadores, entre eles 17 jornalistas.

O PCP exigiu este sábado a "suspensão e reversão imediatas" do despedimento coletivo no Grupo Global Media, "uma decisão inaceitável", que tem "graves custos e efeitos sociais" e "contribui para aprofundar a degradação do sector da comunicação social".

Em comunicado, o PCP condena o despedimento de 81 trabalhadores, 17 dos quais jornalistas, anunciado na sexta-feira pela administração do grupo, que detém, entre outros, o Jornal de Notícias, o Diário de Notícias e a rádio TSF.

"Trata-se de uma decisão inaceitável, com graves custos e efeitos sociais para os atingidos e a generalidade dos trabalhadores, e que contribui para aprofundar a degradação do sector da comunicação social, a sua qualidade e pluralismo", lê-se no comunicado enviado às redações.

O PCP contesta os argumentos avançados pelo grupo, "os mesmos de anteriores 'reestruturações', sempre suportadas numa alegada 'retracção dos mercados de media' e 'crise sem precedentes'", apontando que o grupo "está em fase de reestruturação de propriedade, com a "circulação' de dezenas de milhões de euros entre os grandes interesses".

O Partido Comunista Português destaca ainda que o grupo Global Media obteve este ano um contrato de publicidade institucional com o Governo "de mais de 1 milhão de euros" e "foi abrangido num 'lay-off' de 530 trabalhadores, que agora não hesita em despedir".

Além disso, segundo o PCP, o grupo obteve em anos recentes "'perdões de dívida' e investimentos de capital estrangeiro de 15 milhões de euros" e "vendeu os edifícios históricos do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias".

Para o PCP, a Global Media "está a comprovar que, nas condições do domínio dos grupos económicos, a chamada 'crise dos media' é sobretudo uma oportunidade e um instrumento de concentração capitalista e de poder, de mais exploração, degradação das condições de trabalho e regressão das liberdades de imprensa e informação, em vez de mais participação, democracia e progresso social, como é verdadeiramente necessário".

O partido, que informa ter já questionado o Governo em requerimentos apresentados na sexta-feira na Assembleia da República, apela "à luta e intervenção dos trabalhadores e das instituições", "exige a suspensão e reversão deste despedimento colectivo" e "proclama a urgência de fazer respeitar a Constituição da República relativamente ao impedimento da concentração monopolista na comunicação social".

O despedimento coletivo na Global Media foi sexta-feira contestado pelo Sindicato dos Jornalistas (SJ), que defendeu que "os despedimentos e a degradação das condições de trabalho não devem, nem podem, ser a única solução das administrações para resolver as dificuldades económicas".

Em comunicado, o sindicato manifestou "solidariedade para com os trabalhadores atingidos", reafirmando "a sua determinação em defender os postos de trabalho e garantir a proteção dos direitos e interesses dos jornalistas", e frisou que "o despedimento não pode ser a resposta para compensar perdas em vendas de jornais e publicidade ou investimentos falhados, no quadro de uma gestão irresponsável".

O SJ apontou ainda que "as redações das várias publicações periódicas e da TSF já estão demasiado exauridas", sendo que "um novo 'emagrecimento' forçado vai, necessariamente, implicar uma redução da informação produzida, com reflexos na qualidade dos conteúdos".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de