PCP quer que Governo alargue apoio aos pais nas férias da Páscoa

João Oliveira considera que a medida deve ser tomada com urgência, já que as férias da Páscoa começam na próxima segunda-feira.

A pensar nas férias da Páscoa, o PCP insiste com o Governo e quer ver alargado o apoio aos pais, uma medida que diz ter de ser tomada com "caráter de urgência" para que produza efeitos já na próxima segunda-feira, altura em que começavam as férias escolares.

Esta terça-feira, no debate quinzenal, o primeiro-ministro lembrou os custos da medida e considerou que, por agora, o Governo só avança com o apoio aos pais com crianças em idade de creche, mas o líder parlamentar João Oliveira quer que a medida seja mais ampla.

É preciso "não apenas que o Governo alargue o apoio ao período das férias da Páscoa, mas também que garanta a abrangência a todas as crianças até aos 12 anos, tal como estava considerado desde o início", alertou o deputado comunista, em declarações à TSF.

Desta forma, o PCP pede uma "decisão com urgência nos próximos dias", para que não tenha de se aguardar pelo plenário da Assembleia da República da semana que vem, já que esta é uma "medida urgente", que "o Governo tem de tomar com caráter de urgência".

Apesar de o primeiro-ministro ter falado num valor de 290 milhões por mês para suportar esta medida, João Oliveira considera que o critério orçamental não pode servir de travão neste momento de crise.

"Não pode haver considerações orçamentais que se sobreponham às medidas de saúde pública que têm de ser tomadas e que neste caso incluem a necessidade de garantir o apoio aos pais para que possam ficar a tomar conta dos filhos e não os entreguem à guarda dos avós", explicou.

O líder parlamentar argumentou ainda que, sendo os idosos um dos segmentos da população que precisa de ser mais protegido, "é preciso [tomar] medidas para garantir essa proteção [e que] tenham esse objetivo como prioridade e não critérios orçamentais".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de