Marcelo deixa claro: o Presidente "não é criminoso"

O chefe de Estado disse que soube que "a defesa de um dos implicados fez questão de afirmar expressamente que não envolvia o Presidente da República.

O Presidente da República reiterou esta terça-feira nunca ter sido informado, por qualquer meio, sobre o alegado encobrimento na recuperação das armas furtadas de Tancos, e sublinhou que "é bom que fique claro" que "não é criminoso".

"Nem através do Governo, nem através de ninguém no parlamento, nem através das chefias militares, nem através de quaisquer entidades de investigação criminal, civil ou militar, nem através de elementos da minha equipa, da Casa Civil ou da Casa Militar, nem através de terceiros, não tive", declarou Marcelo Rebelo de Sousa às televisões, à margem da Assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

O chefe de Estado, que é comandante supremo das Forças Armadas, disse que soube que "a defesa de um dos implicados fez questão de afirmar expressamente que não envolvia o Presidente da República".

"Espero que seja a última vez que falo sobre a matéria, até porque se aguarda a todo o momento a acusação, no caso de ela existir, e o que haja a investigar contra quem quer que seja, sem qualquer limitação, seja investigado", afirmou.

O Presidente sublinhou que se trata dos "mesmos factos, os mesmos elementos", de "há três ou quatro meses, que são reapresentados".

"Mas para que não restem dúvidas, por uma questão, não só de honra pessoal, mas porque estou aqui a defender a posição de Portugal, é bom que não esteja a defender a posição de Portugal na Assembleia-geral das Nações Unidas ao mesmo tempo que surge uma vaga dúvida sobre se o Presidente é criminoso, é bom que fique claro que o Presidente não é criminoso", frisou.

A TVI noticiou esta terça-feira que o major da PJ-Militar Vasco Brazão se referiu, numa escuta telefónica, ao Presidente da República, como o "papagaio-mor do reino", que, segundo ele, sabia de tudo.

O furto de armas de guerra nos paióis de Tancos foi divulgado em 29 de junho de 2017.

Um dos arguidos do processo é o ex-ministro da Defesa Nacional José Azeredo Lopes, que está proibido de contactar com os outros arguidos, com o seu ex-chefe de gabinete e com o antigo chefe de Estado Maior do Exército, general Rovisco Duarte.

Quase três meses após a divulgação do furto das armas, a Polícia Judiciária Militar (PJM) revelou o aparecimento do material, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração com elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

O processo de recuperação do material militar levou a uma investigação judicial, por suspeitas de associação criminosa, tráfico de armas e terrorismo no furto do armamento e durante a qual foram detidos o agora ex-diretor da PJM Luís Vieira e o antigo porta-voz da PJM Vasco Brazão e três militares da GNR, num total de oito militares.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

Ministério Público conclui que ex-chefe da Casa Militar de Marcelo sabia de tudo

O Ministério Público (MP) chegou à conclusão que o ex-chefe da casa militar do Presidente da República sabia de tudo, adianta o jornal I. João Cordeiro teria conhecimento das negociações entre as chefias da Polícia Judiciária Militar e os autores do assalto aos paióis de Tancos e sabia também da encenação da recuperação das armas três meses depois.

De acordo com o jornal I, o MP sustenta que o ex chefe da casa militar de Marcelo Rebelo de Sousa também estava consciente que a PJ militar estava a trabalhar neste caso, desobedecendo à ordem de Joana Marques Vidal, na altura Procuradora Geral da República, que tinha atribuído a condução da investigação à Polícia Judiciária civil.

Esta conclusão do MP tem como base telefonemas e SMS trocados entre o ex-chefe da casa militar e Luís Vieira, o diretor-geral da Polícia Judiciária Militar .

O antigo responsável militar da presidência acabou por não ser acusado por crimes de abuso de autoridade e por falso testemunho, porque estes são crimes puníveis com penas até três anos de prisão e os sms e emails só são aceites como prova no caso dos crimes punidos com penas superiores a três anos de prisão.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de