PS admite atuar "de forma localizada" para impedir propagação da Covid-19

José Luís Carneiro admitiu que a vontade é que este seja o último estado de emergência, "mas todos os cuidados são poucos".

O PS admite que o plano de desconfinamento vai prosseguir, mas apenas nos concelhos que permitam dar o próximo passo. Depois da audiência com o Presidente da República, José Luís Carneiro afirmou que a subida do Rt e da taxa de incidência da Covid-19 é normal com o desconfinamento.

José Luís Carneiro revelou que o PS mostrou "disponibilidade" para renovar o estado de emergência, uma vez que o Governo necessita de instrumentos "para adotar medidas para fazer face aos riscos".

O secretário-geral adjunto socialista recordou que o Rt e a taxa de incidência têm crescido, "e é natural que continuem a crescer com o desconfinamento", mas também as novas variantes obrigam a uma atenção redobrada.

Ainda assim, José Luís Carneiro nota elementos positivos, como a vacinação. "A prova é que, progressivamente, estamos a notar a imunização dos cidadãos", disse.

"É importante renovar o estado de emergência por mais 15 dias, e depois ver como proceder", sustentou, reforçando que o plano de desconfinamento deve prosseguir, "flexibilizando em termos locais".

O dirigente socialista admitiu que a vontade de todos é que este seja o último estado de emergência, "mas todos os cuidados são poucos".

Na reunião do Infarmed, a Direção-Geral da Saúde (DGS) explicou que Portugal apresenta uma incidência moderada, "próxima dos 71 casos por cem mil habitantes", com uma tendência crescente. O especialista André Peralta Santos adiantou que mais de duas dezenas de concelhos, com especial atenção para o Algarve e Alentejo, estão com uma tendência agravada.

"Alguns concelhos apresentam uma incidência superior a 120 casos por cem mil habitantes. São 22 concelhos, que correspondem a 6,5 por cento da população. Alentejo e Algarve apresentam os casos mais graves", alertou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de