PS e PCP criticam a entrevista do primeiro-ministro

O PCP defende hoje que a entrevista do primeiro-ministro à RTP passou ao lado" dos reais problemas do país,O PS sublinha alheamento do governo no BES e na PT.

Pelos comunistas, a reação ficou a cargo do deputado António Filipe: «Acabámos de assistir a uma entrevista do primeiro-ministro que passou completamente ao lado daqueles que são os reais problemas do país e daquelas que são as preocupações dos portugueses».

Afirmou ainda que, na entrevista, «não houve uma palavra sobre a situação de desagregação em que se encontra o Governo, não houve um palavra para reconhecer que este Orçamento do Estado, na continuação dos anteriores aprovados por este Governo, vem impor mais sacrifícios aos portugueses».

Para o PCP, Pedro Passos Coelho falou de um «país irreal, que não é o país verdadeiro».

Relativamente à posição expressa pelo chefe de Governo de não intervenção na PT, António Filipe qualificou-a de «inaceitável» e sublinhou que «o Estado tem responsabilidades que não pode alienar em relação às grandes empresas estratégicas».

Pelo PS, a reação à entrevista de Passos Coelhos partiu de Vieira da Silva. O vice-presidente da bancada parlamentar socialista criticou sobretudo a posição do primeiro-ministro relativamente ao caso BES/GES e à PT.

«O primeiro-ministro confirmou que, face à crise que existe numa das maiores empresas portuguesas (PT), o governo nada tem a dizer. Face à crise de um dos maiores grupos financeiros portugueses, e das empresas a ele associados, o primeiro- ministro diz que se trata de um problema do setor privado, demitindo-se de dar um sinal, como se demitiu no caso da PT, quando decidiu abdicar da posição que (o Estado) tinha na empresa, não encontrando nenhuma solução alternativa».

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de