PSD vai propor no Parlamento Europeu estratégia comum para combater incêndios e seca

O eurodeputado José Manuel Fernandes considera que não faltam recursos financeiros em Portugal.

Os deputados do PSD vão propor no Parlamento Europeu a criação de uma estratégia europeia para as questões relacionadas com a seca e os incêndios, anunciou hoje o social-democrata José Manuel Fernandes.

"Os deputados do PSD vão propor um debate em plenário no Parlamento Europeu, com uma resolução, para que a questão dos incêndios e também da seca seja vista em termos europeus, haja uma estratégia europeia para ela, mas depois que cada um (países) faça a sua parte, faça o seu trabalho", precisou José Manuel Fernandes.

O social-democrata, que falava na sessão de abertura da 18.ª edição da Universidade de Verão do PSD, que vai decorrer até domingo, em Castelo de Vide (Portalegre), lamentou que o Governo português não utilize os recursos financeiros de que dispõe para estas áreas.

"Em Portugal, se há algo que não falta é recursos financeiros, mas se olharem para os fundos e para o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a floresta é zero", criticou.

O eurodeputado do PSD acusou ainda o Governo de ter conseguido alcançar a "inimputabilidade", descartando responsabilidades em relação ao incêndio na Serra da Estrela.

A 18.ª edição da Universidade de Verão do PSD decorre até domingo, numa iniciativa tradicional dos sociais-democratas que não se realizou em 2020 e 2021 devido à pandemia de Covid-19.

A iniciativa de formação política de jovens terá os pontos mais mediáticos nos jantares-conferência: na terça-feira, a oradora será a antiga presidente do CDS-PP Assunção Cristas, no dia seguinte o antigo líder do PSD Luís Marques Mendes, na quinta-feira o socialista e presidente do Conselho Económico e Social Francisco Assis, na sexta-feira o presidente da Câmara Municipal de Lisboa Carlos Moedas e no sábado a conselheira de Estado e presidente da Fundação Champalimaud Leonor Beleza.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também terá uma participação à distância na iniciativa, respondendo, por vídeo, a 30 perguntas de 30 participantes, depois de em 2018 ter feito o mesmo, mas por escrito.

Entre os convidados desta edição, contam-se ainda três vice-presidentes do PSD: o eurodeputado Paulo Rangel, que é presença habitual na iniciativa e falará sobre temas europeus, e as 'vices' Margarida Balseiro Lopes e Inês Palma Ramalho.

Esta última participará num painel com o antigo ministro Miguel Poiares Maduro com o tema "Portugal: Novas Desigualdades".

Entre os 'professores' ao longo da semana em Castelo de Vide, contam-se o ex-secretário de Estado José Eduardo Martins, a antiga secretária de Estado e diretora do Escritório de Genebra do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) Mónica Ferro, o economista Luís Filipe Reis, a professora universitária Raquel Vaz Pinto ou o comentador político Sebastião Bugalho.

O encerramento da Universidade de Verão está marcado para domingo às 12:00, contando com intervenções de Alexandre Poço, Carlos Coelho e Luís Montenegro.

Nesta edição, participarão uma centena de jovens (escolhidos entre quase 300 candidatos), com aulas sobre economia, ciência política, saúde, comunicação ou relações internacionais, num grupo que deverá ser "o mais jovem desde sempre porque há muitos candidatos na ordem dos 20 anos", segundo Carlos Coelho.

Este será o segundo momento alto do PSD neste verão, depois de Luís Montenegro ter recuperado a tradicional Festa do Pontal, a meio de agosto, em Quarteira, e na qual compareceu o antigo líder do partido Pedro Passos Coelho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de