"Quem não gostar de brincadeira e quiser isto muito a sério, não vote em mim"

Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar a inscrição de António Costa para votar antecipadamente no Porto, mas a mensagem gerou alguma polémica.

O líder do PSD, Rui Rio, diz que "quem não gostar de brincadeira" e preferir aqueles que levam tudo muito a sério não deve votar no PSD. Este domingo, o presidente social-democrata reagiu, no Twitter, à inscrição de António Costa no voto antecipado, escrevendo que "António Costa arranjou uma forma airosa de evitar ter de fazer o que sabe que não é bom para Portugal; ter de votar nele próprio".

Confrontado, numa arruada em Barcelos, com a publicação na rede social, Rui Rio desvalorizou a situação para garantir que apenas tentou aliviar alguma tensão que diz ser característica de períodos como o que se iniciou este domingo.

"A tendência das campanhas eleitorais é a de começarem a ficar tensas e com uns contra os outros. Procuro dar alguma brincadeira, tem de se ter algum sentido de humor. Sei que [Costa] pode votar em Mirandela, Lisboa ou no Porto e conta sempre para o sítio onde está recenseado", explicou Rui Rio.

Questionado sobre se quis tirar tensão à campanha eleitoral, Rio confirmou e reforçou que vai "fazer isso mais vezes", porque a campanha "também tem de ter alguma piada".

"Vamos fazer isto com alegria, respeito e alguma brincadeira à mistura, para as coisas não serem tão pesadas. Podemos começar a insultar-nos todos uns aos outros, mas não é o meu estilo, nem pegar na vírgula que alguém disse e tentar disso fazer um caso", explicou também o social-democrata, que aproveitou para deixar um conselho ao eleitorado: "Quem não gostar de brincadeira e quiser isto muito a sério, não vote em mim."

Em Barcelos, Rio foi também confrontado com as declarações do líder parlamentar dos comunistas, João Oliveira, que esta manhã acusou PS e PSD de só falarem de regionalização quando há eleições legislativas. A resposta? João Oliveira "não tem a razão toda, mas tem alguma razão".

"Fala-se muito de descentralização e, eventualmente, regionalização em campanhas eleitorais e depois, ao longo da legislatura, fala-se menos. Não é exatamente como ele diz, mas fala-se menos. Podia fazer-se mais, vamos ter de fazer mais. Dou-lhe um bocadinho de razão", reconheceu o líder do PSD, que acusou também o PS "de deturpar" as propostas sociais-democratas e de insistir na mentira, como a privatização da Segurança Social, para "amedrontar" as pessoas.

"E quando eles (PS) sentem que podem perder começam sempre da mesma maneira, começam a deturpar aquilo que nós dizemos e, em vez de darem as suas propostas, começam a deturpar as nossas", afirmou Rui Rio, num discurso dirigido aos muitos apoiantes e militantes que se juntaram esta tarde.

Rui Rio acusou o PS de dizer que o "PSD vai querer privatizar a Segurança Social".

"Nunca o PSD disse isso, sabem que não dizem, mas como não têm propostas concretas deles próprios tratam de mentir com as propostas dos outros, ninguém vai privatizar segurança social nenhuma", reforçou.

Garantiu que aquilo que o PSD quer é "assegurar as pensões de hoje, como inclusive as de futuro" e que "ninguém vai privatizar segurança social nenhuma" e "ninguém vai pôr o futuro das pensões das pessoas na bolsa".

"Isso eu disse claramente na televisão, o PS ouviu-me a dizer isso, mas insiste nessa mentira para tentar amedrontar as pessoas", frisou.

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS 2022

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de