Rio questiona "até onde vai a eficácia da vacina" e não entende isolamento de Costa

O presidente do PSD considerou que a situação merece uma "explicação cabal" e "está a confundir os portugueses" e sustentou que o Governo "tem vindo a comunicar de uma forma desastrosa".

Rui Rio questionou esta quinta-feira "até onde vai a eficácia da vacina" contra o coronavírus, afirmando não entender por que é que o primeiro-ministro teve de ficar isolado após contacto com um infetado apesar de estar vacinado.

"Todos nós ouvimos por parte do Governo e estamos todos nós mentalizados disso, que é absolutamente vital que os portugueses se vacinem e se os portugueses se vacinarem, recebem um certificado digital que lhes permite circular livremente, com os cuidados devidos, mas livremente", começou por apontar.

Neste contexto, o líder social-democrata disse não entender porque é que o primeiro-ministro, António Costa, "já vacinado há muito tempo, com as duas doses" está "em casa fechado por 14 dias" por ter tido um contacto com um infetado.

"A pergunta é: mas afinal, até onde vai a eficácia da vacina?", questionou, em declarações aos jornalistas no parlamento.

O presidente do PSD considerou que a situação merece uma "explicação cabal" e "está a confundir os portugueses" e sustentou que o Governo "tem vindo a comunicar de uma forma desastrosa" e que "esta situação do primeiro-ministro fechado em S. Bento não se entende".

"Não estou a dizer que está bem ou que está mal. (...) O que eu peço é que isto seja devidamente esclarecido para que todos os portugueses saibam exatamente o que é que os espera e como se devem comportar", vincou.

Questionado sobre se as medidas tomadas hoje em Conselho de Ministros relativas à pandemia são adequadas, Rio vincou o sei apoio ao Governo "em todas aquelas medidas restritivas que possam ser difíceis e impopulares mas necessárias ao país", dizendo que tem que "acreditar que o Governo está a fazer é aquilo que é tecnicamente adequado".

"Mas o Governo tem de comunicar de uma forma absolutamente linear para que toda a gente entenda", insistiu.

A ministra de Estado e da Presidência escusou-se hoje a comentar a decisão da autoridade de saúde sobre o isolamento profilático do primeiro-ministro, reiterando que as vacinas são eficazes mas que todos sabem que não a 100%.

No final do Conselho de Ministros de hoje, Mariana Vieira da Silva foi questionada pelos jornalistas sobre as declarações de quarta-feira do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que defendeu que as autoridades sanitárias devem explicar publicamente o motivo para ser imposto isolamento ao primeiro-ministro, apesar de vacinado e com certificado digital Covid-19, por ter tido contacto com um infetado.

"As vacinas são eficazes. Todos sabemos desde a primeira hora que não são 100% eficazes e não me cabe a mim obviamente fazer um comentário de uma decisão em concreto de uma autoridade de saúde", respondeu.

A ministra de Estado e da Presidência escusou-se a comentar "qualquer decisão de uma autoridade de saúde em função de nenhum caso concreto".

O primeiro-ministro, António Costa, encontra-se desde quarta-feira a cumprir um período de confinamento profilático determinado pelas autoridades de saúde após ter estado em contacto com um membro do gabinete que testou positivo à Covid-19.

Numa nota hoje divulgada pelo gabinete do líder do executivo, refere-se que o "primeiro-ministro testou negativo, está sem quaisquer sintomas e mantêm-se em isolamento".

"O primeiro-ministro mantém toda a atividade executiva à distância", salienta-se.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de