Rui Rio defende não se travam extremismos com "cordões sanitários", mas com reformas

"Ficar pelo simples elogio do passado é apenas renunciar ao futuro", defende o presidente do PSD. É preciso continuar a defender todos os dias "os valores de Abril".

O presidente do PSD defendeu que a solução para travar o crescimento dos extremismos não é "absurdos cordões sanitários", mas "ter o rasgo de fazer diferente" e reformar "sem cobardia nem hipocrisia".

"A solução está em nós próprios. A solução está em enfrentar a realidade sem cobardia nem hipocrisia. Está em reformar, ou diria melhor, em romper com o que há muito está enquistado e ao serviço de interesses setoriais ou de grupo", defendeu Rui Rio, naquela que deverá ser a sua última intervenção numa sessão solene do 25 de Abril, já que deixará a liderança do PSD no início de julho.

O presidente do PSD defendeu que o discurso no 25 de Abril deve ser um momento de autocrítica e não apenas de "afirmações laudatórias.

"Se é justo responsabilizar a política porque ela não tem tido a coragem de fazer as reformas estruturais que o desenvolvimento do país reclama, a verdade é que a maioria do eleitorado também valoriza muito mais a promessa fácil da benesse imediata do que a realização das reformas que preparam o seu futuro", apontou.

Para Rui Rio, esta contradição "entre a necessidade dos votos para ganhar as eleições e a necessidade de responder à evolução da sociedade" é hoje mais evidente e mais preocupante.

"Ela é uma das principais razões para o descrédito em que a vida pública tem caído, porque o eleitorado que hoje escolhe o caminho mais fácil, é o povo que amanhã se queixará da ineficácia da governação que escolheu", disse, considerando que descontentamento é o principal suporto de novas forças extremistas, "que, com a sua tradicional demagogia, procuram saciar os impulsos emotivos de quem está mais fragilizado".

Na sua intervenção, Rui Rio elencou algumas das reformas, que enquanto liderou o PSD nos últimos quatro anos foi apontando como urgentes: a alteração do sistema eleitoral; a revisão constitucional; a reforma da Justiça; a descentralização; a lei dos partidos políticos e a sua lógica de funcionamento e até uma reforma do Estado que "fomente a qualidade e a produtividade dos serviços públicos e permita a redução dos impostos".

"Mas também uma atitude política de firme combate à corrupção e fundamentalmente ao tráfico de influências, de real autonomia face à atual lógica de funcionamento da comunicação social, de renuncia à política-espetáculo e de reforço da verdade e da competência, de coragem para se ser mais forte com os fortes do que com os fracos e, principalmente, de genuinidade e coerência entre as palavras e os atos", defendeu.

Para Rio, estas mudanças ajudarão "à credibilização da vida pública e ao renascer da esperança" trazido pelo 25 de Abril, "que o tempo e os homens têm deixado enfraquecer".

"Se queremos um Portugal virado para o futuro, que não se atrasa cada vez mais na escala europeia e que não quer continuar a ver os seus jovens a emigrar, então teremos de ter o rasgo de fazer diferente, atuando coerentemente sobre as verdadeiras causas do nosso problema", defendeu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de