Rui Rio não se recandidata a líder do PSD, se não tiver bom resultado nas autárquicas

Rui Rio acredita ainda que, se vencer as eleições diretas do PSD que se realizam em janeiro, terá condições para conquistar o país a António Costa em 2023.

O presidente do PSD admite não se recandidatar à liderança do partido, caso os resultados das eleições autárquicas sejam iguais, piores ou "muito pouquinho melhores" do que os registados em 2017.

Em entrevista à rádio Renascença, Rui Rio sublinha que o grande objetivo destas eleições é "encurtar fortemente a distância" entre o número de câmaras nas mãos do PS e o número de autarquias nas mãos do PSD. Caso isso não aconteça, o atual líder do PSD não se recandidatará ao cargo, mas não se demitirá.

"Não está em causa sair, demitir-me de nada. Está em causa recandidatar-me ou não a eleições que vão acontecer três meses depois", sustenta.

No mesmo plano, Rui Rio chama a si a responsabilidade pelos resultados nas autárquicas: "Dada a importância que atribuo às eleições autárquicas de 2021 para a implantação do partido e para uma nova dinâmica no que concerne à oposição nacional, tenho de exigir a mim mesmo ser coerente. E ser coerente é dizer que se 2017 foi mau, se fizer igual, fiz mal."

Rui Rio acredita ainda que, se vencer as eleições diretas do PSD que se realizam em janeiro, terá condições para conquistar o país a António Costa em 2023.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de