Santarém vai ser uma das localizações estudadas para receber o novo aeroporto

O primeiro-ministro e Luís Montenegro chegaram a um entendimento quanto à metodologia e a avaliação ambiental estratégica estará completa daqui a um ano.

O primeiro-ministro, António Costa, revelou esta sexta-feira que a cidade de Santarém também vai ser estudada como um dos possíveis locais para o novo aeroporto que servirá Lisboa, em conjunto com Montijo, Alcochete e outras possíveis soluções.

Questionado sobre se seria uma hipótese, António Costa revela que "essa é uma das soluções que irão entrar na avaliação", afirmando que não queria entrar em mais pormenores.

Além de Montijo, Alcochete e Santarém, poderá haver outros locais estudados: "Acolhemos uma sugestão do PSD de que a própria comissão, se assim o entender, possa proceder à avaliação de outras soluções que considere tecnicamente fundamentais."

O primeiro-ministro e o presidente do PSD, Luís Montenegro, anunciaram terem chegado a um entendimento quanto a uma metodologia para avançar com um novo aeroporto e que a avaliação ambiental estratégica deverá estar completa dentro de um ano.

À saída da reunião entre Governo, liderada pelo primeiro-ministro e pelo ministro das Infraestruturas, e uma comitiva social-democrata liderada por Luís Montenegro, o presidente do PSD assumiu que houve um "acolhimento generalizado" do Governo quanto às preocupações do partido.

Nesse sentido, Luís Montenegro afirma que "estão criadas as condições para que o Governo possa avançar nesta matéria e que daqui a mais ou menos um ano possa tomar a decisão final quanto à localização do futuro aeroporto".

A mesma ideia foi transmitida logo a seguir pelo primeiro-ministro. António Costa revela que a "avaliação ambiental estratégica que estará finalizada daqui a um ano".

Essa avaliação terá uma comissão técnica e uma comissão de acompanhamento. Terá também um coordenador-geral que será nomeado pelo primeiro-ministro "sob proposta de três entidades, de forma a termos uma comissão técnica independente", revela António Costa.

As obras no Aeroporto Humberto Delgado são para avançar o mais rápido possível e para isso é preciso utilizar as outras infraestruturas. "Nós temos de ter uma capacidade de otimizar a utilização de todas as infraestruturas aeroportuárias, designadamente numa faze que espero que seja muito rápida em que as obras de melhoria do aeroporto da Portela tenham lugar, vamos ter necessariamente de utilizar outras soluções aeroportuárias, desde logo aqui na região, como o aeródromo de Cascais", considera o primeiro-ministro.

Ao contrário da única reunião pública entre António Costa e Luís Montenegro, que aconteceu a 22 de julho, desta vez o encontro foi alargado ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, e ao vice-presidente social-democrata Miguel Pinto Luz, "o interlocutor técnico" do PSD sobre o tema do aeroporto.

Luís Montenegro enviou uma carta enviada ao primeiro-ministro, em que dá conta da conclusão do processo de audições e reflexão interna que o PSD estava a fazer desde julho sobre o tema e transmitiu as cinco condições do partido para concordar com a metodologia a seguir sobre o futuro aeroporto da região de Lisboa.

O PSD pedia a "realização imediata" de uma Avaliação Ambiental Estratégica (AAE), concluída no prazo de um ano, para as opções Montijo, Alcochete "e qualquer outra que o Governo ou a estrutura encarregue de fazer a AAE decidam fundamentada e tecnicamente incluir" é uma das premissas colocadas por Montenegro.

Chega quer debate no Parlamento

O Chega anunciou pouco depois do final da reunião entre António Costa e Luís Montenegro que entregou ao presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, um requerimento para que o debate seja alargado aos outros partidos no Parlamento.

"Após a reunião entre o primeiro-ministro e o líder do PSD, sem qualquer envolvimento dos restantes partidos, o Chega entregou a Santos Silva um requerimento para um debate de urgência, na próxima quarta-feira, na AR, sobre o novo aeroporto, com o ministro Pedro Nuno Santos", revela o partido.

O partido considera que "é da máxima importância que o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, responda aos deputados sobre os planos do Governo relativamente ao novo aeroporto de Lisboa, bem como os fatores e condicionantes que foram tidos em conta no processo de decisão".

"O Governo da República não pode, numa decisão que vinculará várias gerações e governos, esconder-se nos gabinetes ou em reuniões com um dos partidos parlamentares: esta é uma decisão que exige participação de todos os partidos políticos e o maior consenso nacional possível, sobretudo numa altura de grave contração económica", critica o partido no requerimento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de