"São sempre os mesmos a pagar." Tiago Mayan vai ao barbeiro antes do confinamento

O candidato da Iniciativa Liberal alerta que os pequenos empresários, como os barbeiros, são os que trazem riqueza ao país.

A poucas horas do novo confinamento em Portugal, Tiago Mayan Gonçalves aproveitou a última oportunidade para cortar o longo cabelo. O barbeiro de sempre do candidato presidencial vai fechar portas a partir desta sexta-feira e ainda não sabe se vai receber algum apoio do Governo.

Na Foz do Douro, no barbeiro de sempre, o candidato da Iniciativa Liberal mostrou preocupação com a falta de apoios do Governo para os pequenos empresários. Tiago Mayan refere que são os mesmos de sempre a pagar a fatura do confinamento e que "o tecido económico do país são estas pessoas".

Tiago Mayan Gonçalves apela ao Governo que apresente apoios para as empresas, além do lay-off e volta a pedir que os fundos europeus sejam depositados, diretamente, no bolso dos cidadãos.

O barbeiro Tó Zé Veloso vive as últimas horas de máquina e tesoura na mão, pelo menos durante um mês. O candidato da iniciativa liberal lembra que os pequenos empresários já tiveram de fechar portas em março.

O barbeiro não se queixa, mas Tiago Mayan assume que alguma coisa tem de ser feita. O futuro é incerto, mas assume que perdeu muitos clientes depois do primeiro confinamento, porque "os clientes habituaram-se a cortar o cabela em casa".

Fechar portas definitivamente não é opção para o barbeiro, mas confessa que "vai ser muito difícil".

Com ou sem apoios do Governo, Tiago Mayan deixa uma certeza: "Quando o Tó Zé reabrir, continuará a ser o barbeiro de eleição."

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de