Se eleições fossem hoje PS e PSD teriam menos votos. Livre, Chega e PAN teriam mais

Maioria dos inquiridos espera que o novo Executivo de António Costa governe de forma semelhante ao anterior.

Um mês depois das legislativas, o mapa político já seria diferente do que ficou definido dia 6 de outubro. Se as eleições fossem esta segunda-feira, PS, PSD e Iniciativa Liberal teriam menos votos, Livre e Chega teriam mais.

Segundo a sondagem da Intercampus para o Correio da Manhã, os socialistas somam 35,6% das intenções de voto (face aos 36,34% conseguidos nas legislativas) e os sociais-democratas recuam de 27,76% para 24,8%.

O PAN é o partido que mais cresce tem hoje 5,3% das intenções de voto (tinha obtido 3,32%), superando o CDS, que cai para sexto lugar entre os partidos mais votados, apesar de subir dos 4,22% para 4,4%.

Com 10,7%, o Bloco de Esquerda cresce mais de um ponto e regressa ao resultado alcançado há quatro anos. Também a CDU sobe ligeiramente para os 6,9%.

Entre os partidos que nestas eleições alcançaram apenas um assento parlamentar, o Livre é o que mais sobe - passa dos 1,09% alcançados nas eleições para 2,7% das intenções de voto. Também o Chega sobe de 1,29% para 2,5%.

O Iniciativa Liberal é o único dos "pequenos" que desce. Se as eleições fossem hoje não ultrapassaria os 0,8% quando em outubro chegou aos 1,29%.

A maioria dos inquiridos não espera que o novo Governo de António Costa dirija o país de forma diferente do anterior - 51,5% antecipa que o Executivo vai governar de forma "igual", 23,8% acreditam que irá governar de forma "pior" e 15,4% acreditam que vai governar "melhor".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados