"Se necessário for, não hesitarei em avançar com um novo estado de emergência"

Marcelo Rebelo de Sousa pede uma "preocupação preventiva" a todos os portugueses e avisa que "temos de poder contar com cada um de nós".

O Presidente da República avisou, esta terça-feira, que "se for necessário" voltará a propor o estado de emergência para reforçar o combate à Covid-19.

Na mesma declaração ao país em que anunciou a decisão de não renovar o atual estado de emergência, o chefe de Estado alertou que o futuro do combate à pandemia depende da resposta de cada português, em quem disse confiar.

"Se necessário for, não hesitarei em avançar com um novo estado de emergência, se o presente passo não deparar ou não puder deparar com a resposta baseada na confiança essencial para todos nós", explicou Marcelo Rebelo de Sousa.

Apesar da evolução positiva da pandemia nos últimos meses, o chefe de Estado lembrou que "podemos infetar os nossos contactos", o que pode também originar novas variantes. Assim, é necessária uma "preocupação preventiva de todos nós", porque cada passo é baseado na "confiança coletiva".

"Temos de poder contar com cada um de nós", disse Marcelo, citando uma das especialistas que participaram na reunião do Infarmed, antes de deixar um agradecimento precisamente a todos os especialistas, que "juntaram toda a dedicação" à dos profissionais de saúde, "os heróis mais heróis" deste período.

"O passo por mim hoje dado é baseado na confiança", reforçou o Presidente da República, que destacou que sem estado de emergência, "há que manter ou adotar todas as medidas consideradas indispensáveis para impedir recuos, retrocessos, regressos a um passado que não desejamos", uma ideia que já tem vindo a ser defendida pelo Governo.

Dirigindo-se aos portugueses, Marcelo Rebelo de Sousa disse estar "grato por este ano e dois meses de corajosa e disciplinada resistência".

"Sei que cada abertura implica ainda mais responsabilidade", realçou também, garantindo que acredita na "sensatez e solidariedade" para uma luta "que é de todos."

"Cada português conta e vai contar porque cada português sabe que é Portugal", concluiu.

O Presidente da República anunciou esta terça-feira que não vai propor ao parlamento renovar o estado de emergência, que assim terminará na sexta-feira, 30 de abril, pelas 23h59.

"Tudo visto e ponderado, decidi não renovar o estado de emergência", declarou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa.

O atual período de estado de emergência - o 15.º decretado pelo Presidente da República no atual contexto de pandemia de Covid-19 - teve início em 16 de abril e termina às 23h59 de sexta-feira.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de