Secretário de Estado da Proteção Civil demite-se

José Artur Neves apresentou "motivos pessoais" para esta decisão.

Numa curta nota, o Ministério da Administração Interna adianta que o Secretário de Estado da Proteção Civil pediu a demissão do cargo, pedido que já foi aceite pelo Ministro da Administração Interna que transmitiu essa decisão ao primeiro-ministro.

O Secretário de Estado, José Artur Neves, apresentou, segundo o ministério, "motivos pessoais", mas o pedido surge no dia em que a PJ e o Ministério Público fazem buscas no chamado caso das golas contra o fumo nos incêndios.

José Artur Neves tomou posse como secretário de Estado da Proteção Civil a 21 de outubro de 2017, depois de um verão trágico, com incêndios que provocaram a morte de mais de uma centena de pessoas.

Das golas aos contratos do filho: as polémicas mais recentes

A notícia de que 70 mil golas antifumo fabricadas com material inflamável e sem tratamento anticarbonização foram entregues pela proteção civil às populações começou a circular nos órgãos de comunicação social em julho e deixou o gabinete do secretário de Estado a tremer.

A informação avançada pelo Jornal de Notícias gerou reações imediatas por parte dos vários partidos a pedirem responsabilidades à equipa de José Artur Neves. O Ministério da Administração Interna reagiu, um dia depois, com a abertura de um inquérito.

Os kits de incêndio custaram 125 mil euros e foram entregues pela proteção civil no âmbito dos programas "Aldeia Segura" e "Pessoas Seguras".

Também em julho, o jornal Observador noticiou que Nuno Neves, filho de José Artur Neves, celebrou pelo menos três contratos com o Estado no último ano, quando pai já era governante.

"No último ano, segundo o portal Base, a Zerca fez três contratos públicos com o Estado. Dois com a Universidade do Porto, um de 14,6 mil euros (por concurso público) e um segundo de 722 mil euros (por ajuste direto). O terceiro contrato (também por concurso público) foi celebrado com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, no valor de 1,4 milhões, para uma urbanização na Póvoa de Santa Iria. Foram, assim, dois concursos públicos e um ajuste direto, mas o tipo de procedimento não faz qualquer diferença do ponto de vista legal das incompatibilidades dos cargos políticos", refere o jornal online.

De acordo com o Observador, Nuno Neves é dono de 20% da Zerca Lda., ou seja, tem o dobro da participação permitida por lei aos descendentes de cargos políticos e altos cargos públicos.

Confrontado pelo Observador, o secretário de Estado disse desconhecer "a existência de qualquer incompatibilidade neste domínio", como desconhecer "também a celebração de tais contratos".

Presidente aceitou exoneração de secretário de Estado da Proteção Civil

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aceitou esta quarta-feira a exoneração do secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, proposta pelo primeiro-ministro, informou a Presidência.

Segundo a Constituição Portuguesa, cabe ao Chefe do Estado "nomear e exonerar os membros do Governo, sob proposta do primeiro-ministro" e é esse o disposto - artigo 133.º, alinea h) - invocado por Marcelo Rebelo de Sousa, na mensagem que colocou na página da Internet da Presidência da República.

Notícia atualizada às 16h55

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados