Sem maioria absoluta e sem mãos a medir. Arranca o terceiro e último mandato de Moreira no Porto

Desta vez, Rui Moreira é reconduzido no cargo mas sem maioria absoluta, tendo estabelecido um acordo de governação com o PSD. Para os próximos quatro anos, o autarca fixou como prioridades o trânsito e a mobilidade, a habitação e a cultura na cidade.

O independente Rui Moreira toma posse esta quarta-feira para o terceiro e último mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto e, após ter vencido as autárquicas de setembro sem maioria absoluta, estabeleceu um acordo de governação com o PSD.

Um dos dossiers que promete maiores dores de cabeça ao autarca é o trânsito. Há um mês, a poucos dias das autárquicas, o então recandidato confessou à TSF e ao Jornal de Notícias que a expansão do metro - há muito aguardada - era fundamental para aliviar o tráfego na cidade. Há anos que não é inaugurada qualquer linha nova, e agora espera-se o surgimento de pelo menos duas, prometeu, nessa altura, Rui Moreira.

Ainda no capítulo da mobilidade, Rui Moreira prometeu reforçar a oferta de autocarros da STCP, criar mais locais para que os portuenses possam andar a pé e de bicicleta e limitar o acesso dos carros a algumas zonas.

Quanto à habitação, o presidente da Câmara do Porto não terá mãos a medir. Rui Moreira insiste que, nesta área, os problemas só se resolvem com o envolvimento do Estado central, mas promete erguer três grandes projetos de habitação social, públicos, mas também com o setor privado, em Lordelo, Monte da Bela e Monte Pedral.

Nos próximos quatro anos, Rui Moreira quer tornar a cultura central na cidade. O mercado do Bolhão deverá estar pronto no final deste ano, e a funcionar em pleno no próximo ano.

Outras prioridades culturais são reabilitar o antigo matadouro e ampliar a biblioteca pública, por exemplo. Neste caso, a promessa é antiga, com uma espera de nove meses pelo visto do Tribunal de Contas. O objetivo é ter espaço para três vezes mais livros e documentos do que aqueles que a biblioteca tem agora.

A cerimónia de instalação e posse do presidente e dos vereadores, bem como dos deputados municipais eleitos para a Assembleia Municipal, vai decorrer pelas 17h30, no Pavilhão Rosa Mota.

Posteriormente, a partir das 19h30, terá lugar a primeira sessão da Assembleia Municipal do Porto para a eleição da respetiva mesa, no auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett.

Rui Moreira foi eleito presidente da Câmara Municipal do Porto pelo movimento independente Rui Moreira: Aqui Há Porto!, que conseguiu 40,72% dos votos, elegendo seis vereadores, não tendo conseguido reeditar a maioria absoluta conquistada nas autárquicas de 2017.

Por seu turno, a oposição elegeu sete mandatos - três do PS, dois do PSD e a CDU e o Bloco de Esquerda um cada, este último eleito pela primeira vez.

Sem maioria absoluta, o movimento do independente Rui Moreira e o PSD estabeleceram um acordo de governação e acordaram medidas para os próximos quatro anos de mandato.

O acordo está dependente da incorporação de medidas contidas no programa social-democrata no Plano e Orçamento da Câmara do Porto para 2022, tais como a redução do Imposto sob o Rendimento Singular (IRS) entre um mínimo de 0,5% e 0,625% na componente municipal.

O PSD não terá representação nos pelouros do executivo, nem nas empresas municipais.

No entanto, na Assembleia Municipal, o PSD irá apresentar Sebastião Feyo de Azevedo, antigo reitor da Universidade do Porto, como candidato a presidente da mesa, contando com o apoio já anunciado do movimento de Rui Moreira.

A Assembleia Municipal do Porto foi durante os últimos dois mandatos presidida por Miguel Pereira Leite, do movimento independente, que, perante o acordo, anunciou que "não será recandidato ao cargo".

Em reação ao acordo de governação estabelecido, o vereador eleito pelo BE, Sérgio Aires, instou os sociais-democratas a explicar o que farão se o independente Rui Moreira for condenado no caso Selminho, no qual é suspeito de ter beneficiado a imobiliária da família, da qual também fazia parte.

Já a concelhia do PS do Porto defendeu que o mesmo "defrauda" os eleitores e reforça o PS como "alternativa" na cidade.

Por sua vez, a CDU considerou que o acordo não assegura estabilidade, criticando Rui Moreira por não olhar "a meios para atingir os fins" e o PSD por "incoerência".

O PAN, que elegeu um deputado municipal, considerou que o mesmo reverte a "pluralidade democrática e o debate de governabilidade" na cidade.

Já o deputado municipal eleito pelo Chega considerou que o acordo é uma opção "menos democrática" ao condicionar a participação dos eleitos.

Em 2013, quando foi eleito pela primeira vez, o independente conseguiu conquistar 39,25% dos votos e seis vereadores, contra três do PS, três do PSD/PPM e um da CDU.

Nas autárquicas de 2017, Rui Moreira foi reeleito para o cargo, com maioria absoluta, tendo conquistado 44,46% dos votos e alcançado sete mandatos, contra seis da oposição: quatro do PS, um do PSD/PPM e um da CDU.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de