"Situação das variantes não impede plano de desconfinamento"

A variante do Reino Unido conta com 83% de prevalência em Portugal. Apesar das ligações aéreas com o Brasil, variante de Manaus é pouco significativa.

João Paulo Gomes, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, garante que as novas variantes da Covid-19 não são razão para congelar o plano de desconfinamento. Na reunião do Infarmed, o especialista revela que, em março, o instituto sequenciou 1345 vírus, provenientes de 18 distritos.

"Desde novembro até março, a evolução da prevalência mostra-nos que a variante do Reino Unido domina o país. Já era maioritária em fevereiro, e em março domina, claramente, o cenário epidemiológico", explica.

O especialista mostra que a variante do Reino Unido representou 83 por cento dos casos de Covid-19 em Portugal, em março. "Há alguma homogeneidade em todo o país, à exceção do Norte, com a variante do Reino Unido a estar menos representada", diz.

João Paulo Gomes nota que, quanto à variante de Manaus, existe um decréscimo. "São excelentes notícias, o que me surpreende: Portugal teve sempre voos do Brasil, mesmo em confinamento", lembra.

Já em relação à variante de África do Sul, "existe um crescimento significativo", com 53 casos confirmados. Ainda assim, comparando com os dados da Europa, o especialista nota que Portugal se encontra a meio da tabela, longe dos mais de 600 casos da Alemanha e Bélgica.

Ainda assim, o especialista nota que os 53 casos provenientes de África do Sul "podem ser apenas a ponta do icebergue", antevendo que já circulem em Portugal mais de 200 casos.

Paulo Gomes admite que "não se preocupa demasiado com estes números", uma vez que em França as estimativas apontam para "muitos milhares", ao contrário dos 530 casos confirmados.

O especialista salienta que vários laboratórios em Portugal já aplicam novas metodologias de análise para rastrear novas mutações do coronavírus.

João Paulo Gomes pede que as autoridades continuem atentas à disseminação de novas variantes, podendo decretar o encerramento de fronteiras aéreas. Ainda assim, garante que as variantes "não são impeditivas da continuação do plano de desconfinamento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de