"UE vai tentar reduzir a tensão." Marcelo na Grécia para discutir confrontos na Síria

Presidente da República discute aprofundamento da União Europeia com outros chefes de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa já está em Atenas, na Grécia, para em conjunto com outros chefes de Estado da União Europeia discutir, durante a próxima sexta-feira, o conflito militar na Síria e o Brexit. Sobre o que está a acontecer entre a Turquia e a Síria, o Presidente da República disse ser um dos temas mais preocupantes do momento.

"Já existe uma posição conjunta da União Europeia e Portugal perfilha essa posição, que é de preocupação com a situação que está a assumir uma forma de escalada. Há que evitar essa escalada, que haja uma degradação das condições", explicou Marcelo Rebelo de Sousa.

Já sobre o Brexit, Marcelo revelou que os chefes de Estado vão tentar manter abertas as portas para um acordo até ao último minuto.

"Venho aqui transmitir o que Portugal tem feito em termos bilaterais para ter em conta a situação dos portugueses no Reino Unido e dos britânicos em Portugal. Virei também falar da próxima reunião do Grupo de Arraiolos, que vai acontecer em Portugal, em outubro de 2020, com quase dúzia e meia de chefes de Estado", revelou o Presidente da República.

No que toca à situação política nacional, um dia depois de António Costa ter reunido com os partidos de esquerda e o PAN para tentar chegar a um acordo que garanta a estabilidade da próxima legislatura, o Presidente recusou comentar, sublinhando que já assumiu qual é a sua posição sobre essa matéria.

"Repito apenas o que disse, que é: estão a ser seguidos os procedimentos normais e o calendário apontado desde a primeira hora", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Por fim, sobre o facto de o Conselho das Finanças Públicas ter revelado, esta quinta-feira, que prevê mais crescimento e menos défice para Portugal até ao final deste ano, Marcelo afirmou que, na chegada a Atenas, recebeu várias felicitações de outros chefes de Estado por esses resultados tão positivos.

"O que posso dizer é que já tive aqui, na chegada a Atenas, reações de pares meus que me felicitaram, em nome de Portugal, com a convicção de que, de facto, o percurso feito em termos orçamentais poderia permitir, este ano e nos próximos, resultados melhores do que era esperado", acrescentou o Presidente da República.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de