Vitorino Silva foi à feira e prometeu "o povo no Parlamento"

Reagir, Incluir e Reciclar, o partido RIR liderado por Tino de Rans, procura eleger os primeiros deputados. Na segunda vez que concorre a umas eleições legislativas, o antigo candidato presidencial Vitorino Silva procura capitalizar os votos de há um ano, mas, na Feira do Relógio, em Lisboa mostrou que quer chegar mais longe.

O presidente do Reagir, Incluir, Reciclar (RIR), Vitorino Silva, começou neste domingo a campanha oficial às eleições legislativas na rua e escolheu a Feira do Relógio, em Lisboa, onde prometeu que levaria o povo ao Parlamento.

Depois de uma campanha digital para as eleições presidenciais há um ano, devido à pandemia da Covid-19, Vitorino Silva, popularmente conhecido por Tino de Rans, voltou neste domingo àquele que diz ser o seu gabinete: a rua.

O local escolhido para a primeira ação de campanha para as eleições legislativas antecipadas de dia 30 foi a Feira do Relógio, em Lisboa, e durante uma hora e meia a percorrer os quase três quilómetros ocupados por bancas o presidente do RIR foi centro das atenções.

"Olha o Tino", ouvia-se repetidamente entre os pregões dos feirantes. No seu "'habitat' natural", como lhe chamou, Vitorino Silva falou com comerciantes e com visitantes e a todos pediu uma oportunidade, com uma garantia em troca.

"O RIR vai ter povo no parlamento, porque as pessoas que estão comigo são o povo, o povo genuíno e verdadeiro, que não está ligado aos 'lobbies'. O povo vai ter voz, vai ter vez e vai ter lugar", prometeu.

Com as expectativas altas, confiante de que o partido terá um grupo parlamentar na próxima legislatura, Vitorino Silva insistiu ainda na ideia de ser ponte entre a esquerda e a direita para desbloquear o país.

Ao longo do percurso, o líder do RIR distribuiu calendários do partido e abraços, parou para fotos e autógrafos, ouviu os desabafos de alguns comerciantes que disseram sentir-se por discriminados por um dos partidos candidatos às eleições, e foi reiterando a mesma ideia.

"O RIR é incluir", repetiu por várias vezes.

Perante o apoio das pessoas, aproveitou também para deixar críticas às empresas de sondagens por limitarem o seu partido à categoria "Outros", afirmando que parecem ser as únicas que "não conhecem o Tino".

Por outro lado, criticou ainda a exclusão do RIR dos debates televisivos, contrariando a ideia de partidos grandes e partidos pequenos.

"Se houvesse grandes partidos em Portugal, não tínhamos 50% de abstenção. Fazem debates com os grandes que não são grandes e o único partido que vai ser grande no dia 30 é o RIR. O RIR vai entrar naquela metade do país que tem de ser respeitada", afirmou.

Quanto a propostas concretas, Vitorino Silva manifestou a intenção de baixar os impostos sobre os combustíveis, o IVA da restauração e o preço das portagens nas autoestradas.

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de