Ricardo Araújo Pereira propõe substituir o SIRESP

Ricardo Araújo Pereira quis ser "ministro do Balanço", para fazer o balanço dos dois anos que passaram depois do incêndio que vitimou 66 pessoas e deixou um rastro de destruição na zona de Pedrógão Grande.

Ricardo Araújo Pereira quis ser "ministro do Balanço", para fazer o balanço dos dois anos que passaram depois do incêndio que vitimou 66 pessoas e deixou um rastro de destruição na zona de Pedrógão Grande.

Dois anos depois do incêndio florestal mais mortal na história de Portugal, vinte por cento das casas destruídas estão por reconstruir e algumas vítimas estão por indemnizar. Mas não são "apenas" esses os problemas que preocupam o "ministro do Balanço".

O humorista faz notar que as reportagens publicadas recentemente na comunicação social indicam que não foi feito muito do trabalho de prevenção que deveria ter sido feito para evitar que a tragédia se repita, já que a limpeza dos terrenos continua, em grande parte, por fazer e o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança (SIRESP) continua a falhar .

O SIRESP, que foi agora nacionalizado por sete milhões de euros , já tinha custado ao Estado mais de 500 milhões de euros durante os anos em que funcionou como parceria público-privada (PPP) , mas, tendo em conta que o sistema pode ou não funcionar, Ricardo Araújo Pereira defende a adoção de outra estratégia: "A minha proposta era não gastar dinheiro em coisas como o SIRESP e rezar, só. O resultado é o mesmo, aparentemente, mas ficamos com o dinheiro, talvez seja mais vantajoso." - explica o humorista.

A emissão completa do Governo Sombra, para verou ouvir, sempre em tsf.pt.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados