Saúde

Bloco e PCP criticam razões económicas para fechar maternidade

O bloquista João Semedo assinala as contradições do Governo para explicar o encerramento da Maternidade Alfredo da Costa, ao passo que o PCP criticou o «objetivo cego do Governo de centrar e reduzir serviços».

O bloquista João Semedo considera que é um «gravíssimo erro» fechar a Maternidade Alfredo da Costa, que considerou ser a «melhor maternidade do país».

Este parlamentar do Bloco de Esquerda assinalou ainda que o Governo se contradiz em relação às razões do fecho desta maternidade após ter dito que este «tinha o objetivo de melhorar a qualidade da assistência materno-infantil na região de Lisboa».

«Hoje, a razão que foi anunciada para encerrar a maternidade é exclusivamente do domínio da poupança, uma razão económico-financeira, e não foi isso que o Governo disse», explicou.

Por seu lado, a comunista Paula Santos criticou o «objetivo cego deste Governo» de fechar «rapidamente» esta maternidade e «centrar serviços e reduzir serviços não numa perspetiva de melhorar o acesso aos cuidados de saúde».

«Neste caso, estamos a falar num serviço altamente diferenciado e de excelência que é a Maternidade Alfredo da Costa», concluiu.

  COMENTÁRIOS