Saúde

Observatório da Saúde: Dados devem servir de alerta ao Governo

A Ordem dos Médicos e a Sociedade de Geriatria e Gerontologia ficam preocupados com os efeitos da crise na saúde dos portugueses e defendem que o Governo deve agir rapidamente.

Em causa, está o relatório anual do Observatório Português dos Sistemas de Saúde que conclui que em paralelo com a crise assiste-se a «um aumento da depressão, da taxa de tentativa de suicídio e das mortes prematuras».

Os investigadores dizem que os efeitos da crise sentem-se, por exemplo, nas despesas: 20 por cento dos portugueses estão a gastar menos com a saúde, numa percentagem que duplica entre os desempregados.

O relatório sublinha que várias fontes apontam ainda para um aumento da ansiedade e da depressão no país.

Contactado esta manhã pela TSF, o bastonário da Ordem dos Médicos saúda o trabalho feito pelo Observatório e espera que seja desta que o Ggoverno dá atenção a alertas que também já tinham sido feitos pela Oordem.

José Manuel Silva espera que agora o Ministério da Saúde não fuja mais ao problema.

Também o presidente da Sociedade Portuguesa de Geriatria e Gerontologia qualifica como «assustadores» alguns dos números revelados pelo Observatório. Manuel Carrageta diz que o abandono dos tratamentos vai resultar num aumento da mortalidade e das incapacidades.

Manuel Carrageta defende ainda que o Governo precisa de agir e desafia o executivo a avançar com um plano de apoio aos idosos que envolva os ministérios da Saúde e da Segurança Social.