Ações da Benfica SAD suspensas, a contestação da defesa de Vieira e outros destaques TSF

Também para ler na pausa de almoço, a vitória de Itália frente a Inglaterra nas grandes penalidades da final do Euro 2020 e os insultos racistas aos jogadores ingleses que falharam os penáltis.

Menos de duas horas depois, a CMVM levantou a suspensão das negociações das ações da SAD do Benfica. No comunicado emitido ao início da manhã, a CMVM tinha anunciado a suspensão da negociação das ações, recordando que "nos últimos dias tornaram-se do conhecimento público indícios de irregularidades diversas, suscetíveis de afetar a Sport Lisboa e Benfica - Futebol SAD (Benfica SAD)".

Ainda no Benfica, sobre a Operação Cartão Vermelho, o despacho assinado pelo juiz de instrução Carlos Alexandre refere que: "Perante toda a matéria indiciária já apurada nos autos (...), o mínimo que se pode dizer é que a prova indiciária recolhida é fortemente impressiva." Do outro lado, a defesa considera o contrário; e, por exemplo, no caso da venda de créditos da empresa Imosteps, entende que "é impossível enquadrar" a promoção feita pelo procurador Rosário Teixeira "em qualquer ilícito criminal no ordenamento jurídico português".

No desporto, o Euro 2020 chegou ao fim. A Itália sucede a Portugal e é a nova campeã da Europa. O resultado ficou apenas decidido nas grandes penalidades, onde a "Squadra Azzurra" bateu a Inglaterra, por 3-2, no Estádio de Wembley. Veja as imagens que marcaram a final do Euro 2020, desde a euforia dos adeptos antes do jogo até à festa italiana.

Marcus Rashford, Jadon Sancho e Bukayo Saka foram os três jogadores ingleses que falharam os penáltis e, nas redes sociais, foram alvo de insultos racistas. A Associação Inglesa de Futebol mostrou-se "chocada" e "enojada" pelos comentários e também o primeiro-ministro britânico já condenou o sucedido. "Os jogadores da equipa inglesa merecem serem tratados como heróis, não [vítimas de] insultos racistas nas redes sociais", escreveu Boris Johnson no Twitter.

A pandemia de Covid-19 não desapareceu e Boris Johnson vai pedir "cautela" aos britânicos e confirmar se Inglaterra pode avançar para a quarta e última fase de desconfinamento a 19 de julho perante pressão para manter algumas restrições. Apesar de ter anunciado na semana passada que pretendia levantar a maioria das medidas ainda em vigor para controlar a pandemia, a decisão final está dependente da análise dos últimos dados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de