Anselmo Borges - o teólogo que nega ser herege

O novo livro do teólogo Anselmo Borges, "O Mundo e a Igreja que Futuro?", traz à TSF o seu autor. São múltiplos os temas polémicos que aborda, como o drama dos refugiados, a pandemia, o papel das mulheres na Igreja, o celibato obrigatório, os abusos sexuais do clero e o fim do cristianismo na Europa.

PorManuel Vilas Boas
© Pedro Rocha/Global Imagens

"O mundo e a Igreja que futuro?" é o título do novo livro de Anselmo Borges, editado pela Gradiva, já em 2.ª edição. Em 479 páginas, o teólogo, professor de filosofia e diplomado em Ciências Sociais, em Paris, além das crónicas que publica, semanalmente, no Diário de Notícias, debruça-se, neste livro, sobre temas de fronteira da Igreja Católica. Refletindo sobre áreas não comummente abordadas, A. Borges surpreende o leitor pela ousadia e defesa de posições, não aceites por uma vasta maioria de crentes católicos.

Anselmo Borges, já no final do livro, entrega-se ao que diz ser essencial: nem Jesus nem os apóstolos ordenaram sacerdotes. Esta é a tese mais controversa deste livro que Anselmo Borges pretende que não seja o último.

Ouça a entrevista, que teve tratamento técnico de Joaquim Pedro, aqui.

Your browser doesn’t support HTML5 audio

Em quatro longas partes, o autor, padre da Sociedade Missionária Portuguesa, doutor em filosofia pela Universidade de Coimbra e licenciado em teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, alinha a atualidade religiosa contra o achismo, defendendo que é necessário um tempo para pensar. Na segunda parte, trata o sofrimento, a morte e Deus, em tempo de pandemia. Na terceira parte, apresenta Francisco: um cristão reformador, nas suas diferentes faces de papa jesuíta e franciscano. Por fim, a mais crítica reflexão sobre uma Igreja outra, aborda, entre outros temas, a eucaristia e o sacerdócio, as mulheres na Igreja, a sexualidade, o celibato obrigatório, os abusos sexuais e o fim do cristianismo na Europa.

De registo, ainda, o prefácio de Maria de Belém Roseira, antiga ministra da saúde e o posfácio de Paulo Rangel, deputado no Parlamento Europeu.

Manuel Vilas Boas e Anselmo Borges© TSF

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG