Ativado plano municipal de emergência por causa de sismos na ilha de São Jorge

É em Velas que a crise sísmica da ilha tem sido mais sentida pela população.

O plano municipal de emergência do município de Velas, em São Jorge, foi ativado esta segunda-feira pelas 17h00 como "medida preventiva" devido à atividade sísmica sentida desde sábado naquela ilha dos Açores, indicou a autarquia.

A decisão foi tomada por Luís Silveira, presidente do Serviço Municipal de Proteção Civil e da Câmara de Velas, o concelho onde a crise sísmica da ilha de São Jorge tem sido mais sentida pela população, é indicado em comunicado.

De acordo com o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), desde as 07h00 desta segunda-feira foram sentidos oito eventos sísmicos, tendo os mais recentes sido registados pelas 16h55 e às 16h56 (hora local, mais uma hora em Lisboa).

Estes dois últimos sismos foram sentidos pela população com intensidade máxima III/IV (Escala de Mercalli Modificada) nas freguesias das Velas e Rosais (concelho das Velas), de acordo com a informação disponibilizada na página da Proteção Civil dos Açores.

A Escala de Mercalli Modificada mede os "graus de intensidade e respetiva descrição" e, quando há uma intensidade de IV, considerada "Moderada", os "objetos suspensos baloiçam" e há uma "vibração semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados ou à sensação de pancada duma bola pesada nas paredes", descreve o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Com uma intensidade de IV na Escala de Mercali modificada, os "carros estacionados balançam", as "janelas, portas e loiças tremem" e "os vidros e loiças chocam ou tilintam", podendo as paredes ou estruturas de madeira ranger, revela o IPMA na sua página da Internet.

Segundo o CIVISA, o sismo das 16h55 teve magnitude 2,1 (na escala de Richter) e epicentro a cerca de um quilómetro a WNW (oés-noroeste) das Velas, ilha de São Jorge.

O evento das 16h56 teve magnitude 2,2 e epicentro a dois quilómetros a Este da Beira, ilha de São Jorge. O presidente do CIVISA, Rui Marques, indicou esta manhã à Lusa que a atividade sísmica na ilha de São Jorge se mantinha "acima dos valores de referência" e que, desde sábado à tarde, foram registados "mais de 1.100 sismos de baixa magnitude", dos quais "63 sentidos pela população".

Segundo Rui Marques, "a atividade sísmica que o CIVISA tem vindo a registar no sistema vulcânico fissural de Manadas desde as 16h05 de sábado mantém-se acima dos valores de referência".

Rui Marques lembrou que, no domingo, seguiram de São Miguel para a ilha de São Jorge quatro técnicos do CIVISA com "a finalidade de aumentar a capacidade de monitorização no local" da crise sísmica, que ocorre numa zona entre a vila das Velas, na zona sul da ilha, e a Fajã do Ouvidor, na costa norte.

"A única coisa que podemos neste momento afirmar com certeza é que os valores estão acima daquilo que é o normal para este sistema vulcânico", referiu ainda à Lusa.

Rui Marques sublinhou que "o único parâmetro que está fora do normal, neste momento, é a sismicidade".

"Neste momento a nossa preocupação com este sistema é a mesma preocupação que devemos ter com qualquer sistema vulcânico ativo. Temos um sistema vulcânico ativo que neste momento tem uma crise sísmica. Vamos continuar a monitorizar", frisou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de