"A vida é um valor sem variações." Tolentino Mendonça apela a inclusão dos idosos

Nas celebrações do 10 de junho, o cardeal pediu uma cooperação intergeracional e a valorização social dos mais velhos.

O cardeal Tolentino Mendonça avisou que "a vida é um valor sem variações", defendendo o relançamento da aliança intergeracional para ajudar os idosos, as "principais vítimas da pandemia", a serem "mediadores de vida para as novas gerações".

Na cerimónia comemorativa do 10 de Junho, que decorreu esta quarta-feira no Mosteiros dos Jerónimos, em Lisboa, o cardeal e poeta madeirense Tolentino Mendonça, escolhido por Marcelo Rebelo de Sousa para presidir a estas comemorações do Dia de Portugal, foi o primeiro a discursar.

Na perspetiva do cardeal, é preciso "reforçar o pacto comunitário", o que implica "relançar a aliança intergeracional" porque o pior que "podia acontecer seria arrumar a sociedade em faixas etárias".

"A tempestade provocada pela Covid-19 obriga-nos a refletir sobre a situação dos idosos em Portugal e desta Europa. Eles têm sido as principais vítimas da pandemia", lamentou.

Para Tolentino Mendonça, é preciso "rejeitar firmemente a tese de que uma esperança de vida mais breve determina uma diminuição do seu valor intrínseco" porque "a vida é um valor sem variações".

"Uma raiz do futuro de Portugal passa por aprofundar a contribuição dos seus mais velhos, ajudando-os a viver e a assumir-se como mediadores de vida para as novas gerações", defendeu.

Confira aqui como decorreram, ao minuto, as celebrações do 10 de junho:

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de