Braseira, lareira ou aquecedor a gás. Como evitar intoxicação por monóxido de carbono

Os espaços devem ser ventilados com regularidade e é preciso também muita atenção ao monóxido de carbono, conhecido como o assassino silencioso.

Todos os anos cerca de 20 a 30 pessoas sofrem intoxicações e sentem os efeitos da inalação em excesso do monóxido de carbono, adianta o Centro de Informação Antivenenos do INEM, e 2020 não é um ano diferente. Numa altura em que a despedida do ano velho se faz obrigatoriamente em casa, as precauções devem ser redobradas, avisa uma das médicas deste centro Fátima Rato à TSF.

Os espaços devem ser ventilados com regularidade e é preciso também muita atenção ao monóxido de carbono, conhecido como o assassino silencioso, uma vez que os efeitos só são detetados quando surgem os primeiros sintomas: "As pessoas começam com algumas alterações que as permite perceber que alguma coisa não está bem. Como isto muitas vezes acontece quando está mais do que uma pessoa é estranho, de repente, começarem duas ou três pessoas com sintomas, por exemplo, umas dores de cabeça, a pessoa a sentir-se um bocadinho nauseada ou mais prostrada e sonolenta."

Mesmo assim, Fátima Rato adianta que todos os anos são reportados casos: "Os números estão muito estabilizados desde há meia dúzia de anos para cá, os casos não têm aumentado e andam à volta de 20 a 30 casos por ano", sustenta

A maior parte das intoxicações, diz a médica, está relacionada com o uso de braseiras ou lareiras em espaços fechados

"As pessoas têm de ter a noção que ao terem uma lareira ou uma braseira não podem estar numa sala fechada, têm de ter alguma abertura para haver alguma circulação de ar", aconselha.

Por isso, em todas as divisões das casas é preciso ter cuidados: "Já tivemos um caso ou outro, que não é minimamente frequente, de, por exemplo, estarem a cozinhar em muitos bicos do fogão, numa cozinha, com tudo fechado. Também pode ser o suficiente para começar a dar sintomas", conta.

Abrir uma janela é uma solução, mas outra opção pode passar pela instalação de um detetor de monóxido de carbono.

"Acho que é importante para quem utiliza aqueles aquecedores a gás, que se mete uma botija de gás lá dentro, terem detetores de monóxido de carbono", remata.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de