"Cartas com Ciência" já formou 500 cientistas em escrita e divulgação científica

Quase uma centena de cientistas "já trocou cartas com estudantes em três continentes (quatro turmas: São Tomé, Timor Leste e Portugal)".

O programa de troca de cartas entre cientistas e crianças dos países de língua oficial portuguesa formou "cerca de 500 cientistas em técnicas de escrita e divulgação científica" no primeiro ano de existência.

"Através de programas de troca de cartas tradicionais entre cientistas e alunos durante um ano letivo, criam-se conversas individuais e duradouras, em português, que permitem não só mitigar barreiras e preconceitos associados ao ensino superior e a carreiras científicas, mas que promovem também a literacia científica e da língua portuguesa na sua forma escrita", segundo os promotores.

Rafael Galupa refere, em comunicado enviado à agência Lusa, que, em 12 meses, o programa "já formou cerca de 500 cientistas em técnicas de escrita e divulgação científica, dos quais quase uma centena já trocou cartas com estudantes em três continentes (quatro turmas: São Tomé, Timor Leste e Portugal)".

Todos os professores envolvidos na iniciativa "manifestam extrema satisfação e reações entusiásticas dos estudantes, especialmente ao abrirem as suas cartas", sublinha o responsável.

"Para 90% destes alunos, foi a primeira vez que 'conheceram' um(a) cientista e para mais de metade foi a primeira vez que escreveram ou receberam uma carta", adianta na nota Mariana Alves, acrescentando que "a grande maioria dos cientistas que trocaram cartas descrevem a experiência como 'gratificante' e 'divertida'".

Foram estabelecidas parcerias com o Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, da Universidade Nova de Lisboa, e com o Centro de Investigação em Didática e Tecnologia na Formação de Formadores da Universidade de Aveiro, que investigarão e avaliarão o impacto das atividades, "com foco, respetivamente, na comunicação da ciência e na educação para as ciências e formação de professores", esclarece Rafael Galupa.

No futuro, o projeto pretende começar a trocar cartas nos restantes países de língua portuguesa, sendo que uma das prioridades é encontrar "mais cientistas de várias áreas, como as ciências sociais e humanas, e cientistas residentes ou originários dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e Timor-Leste", adianta Mariana Alves.

A responsável lembra que, dos 500 cientistas inscritos nos programas, "apenas 60 têm outra nacionalidade que não a portuguesa ou brasileira".

A iniciativa "Cartas com Ciência" está também à procura de entidades interessadas em apadrinhar os programas ou "facilitar a logística de encomendas e correios", remata.

"Cartas com Ciência" recebeu várias distinções no primeiro ano de existência, como a Bolsa de Divulgação Científica da Biochemistry Society, o segundo lugar do Prémio Melhor Ideia de Negócio Go Green Go Social NOVA FCSH e a seleção da cofundadora Mariana Alves para a lista de Top 100 Women in Social Enterprise (Euclid Network).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de