Cartas de reis e príncipes dos séculos XVII e XIX apreendidas pela PJ

Os documentos desapareceram há anos da Câmara Municipal de Beja, andaram pelo estrangeiro e foram agora apreendidos de novo em Portugal, onde se encontravam na posse de particulares.

A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu um códice factício de 165 documentos manuscritos régios, datados dos séculos XVII a XIX, que se encontravam na posse de particulares, em Beja.

Os documentos em causa são cartas, escritas entre 1632 e 1806, enviadas em nome do "Rei", do "Príncipe", do "Infante" e da "duquesa de Mântua" e que estão endereçadas a figuras ilustres da cidade de Beja.

Em comunicado, a Polícia Judiciária dá conta de que as cartas foram apreendidas "depois de terem sido levantadas dúvidas, pela Câmara Municipal de Beja, relativamente ao seu eventual descaminho do espólio do Estado".

A TSF apurou junto da diretoria do Sul da PJ que os documentos desapareceram há largos anos da Câmara Municipal de Beja, andaram pelo estrangeiro e agora foram apreendidos na mesma cidade, onde se encontravam na posse de particulares.

A investigação ainda está em curso e, até ao momento, não foram constituídos arguidos no caso. Segundo a PJ, os documentos irão agora ser alvo de perícia, no Laboratório de Polícia Científica, para que se determine a sua autenticidade.

A TSF já pediu esclarecimentos à Câmara Municipal de Beja.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de