Casamentos já se realizam, falta a confiança dos noivos

O setor dos casamentos está a retomar a atividade a pouco e pouco, mas as empresas dizem que ainda há noivos relutantes em realizar as festas.

Autorizada desde 29 de maio, a realização de eventos como casamentos ou batizados está a regressar de forma progressiva, mas ainda com alguma desconfiança por parte dos noivos.

"Houve uma retoma, já começaram a realizar-se casamentos", diz António Brito, diretor da Exponoivos. No entanto, o setor ainda não recuperou em pleno. "Há noivos que estão mais relutantes em casar neste momento" e por isso várias cerimónias de casamento continuam canceladas ou adiadas. "Há um trabalho que está a ser feito para passar uma mensagem de confiança aos noivos para que não desistam, não cancelem, não adiem", refere.

Sem ter ainda uma quantificação do número de casamentos já realizados, António Brito sublinha que todas as empresas estão a "tentar retomar" o trabalho, embora "algumas delas" continuem em lay-off e outras "ainda têm dúvidas face às orientações" da DGS.

Uma das dúvidas que tem surgido é sobre a quantidade de convidados que uma festa de casamento pode ter. "Não existe uma limitação de convidados, o que existe é uma limitação de ocupação". Por exemplo, uma quinta com lotação para 1.000 convidados pode ocupar 50% desses lugares recebendo assim 500 convidados. Ainda assim, segundo António Brito, é válida a norma da restauração que permite a lotação a 100% caso haja barreiras físicas a separar as mesas.

O diretor da Exponoivos sublinha também que "não estão proibidos buffets ou cocktails". Nestes casos, o que está previsto é que as refeições sejam servidas por funcionários dos espaços. Assim, as conhecidas cascatas de camarão que existem em tantos buffets só podem ser degustadas se for o empregado a colocar o camarão no prato dos convidados.

Quanto à animação, ela também não está proibida, embora seja necessário respeitar a distância física de dois metros, mesmo que a dançar. "Se for feito ao ar livre, não necessitamos de máscara", sublinha António Brito. O mesmo acontece nas sessões com o fotógrafo do casamento: "Nada impede que os convidados retirem a máscara no momento da fotografia", garante.

Segundo um estudo apresentado pela Exponoivos, o volume de negócios do setor do casamento em Portugal é superior a 900 milhões de euros.

No início de maio, estimava-se que 32% dos casamentos tivessem sido adiados para o segundo semestre do ano, 22% para 2021 e 6% cancelados.

Cerca de 94% das empresas do setor tiveram cancelamentos ou adiamentos durante a pandemia e 65% entraram em lay-off.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de