Chamas em Mação e Vila de Rei 90% dominadas. Restantes 10% são de "difícil acesso"

O fogo está "estabilizado", mas o dia será difícil.

O relatório da Proteção Civil, às 08h00 desta segunda-feira, dá conta de uma "segunda frente, adstrita ao concelho de Mação". "Os meios foram redistribuídos, realocados, face ao trabalho noturno que estava pensado", adiantou o representante da Proteção Civil, na conferência de imprensa a partir de Sertã.

O incêndio encontra-se estabilizado. "Quer a frente de Vila de Rei, quer a frente de Mação estão 90% dominadas. Há 10% de território inserido nestas frentes que carece ainda de muita atenção, pois tem ainda um perímetro em chamas."

Os trabalhos continuam, depois de "um esforço muito grande de todos os operacionais e efetivos", relatou a Proteção Civil, que deixou ainda uma palavra de alento a todos os bombeiros.

As operações decorreram com recurso a combate direto - com água -, mas também a combate indireto (abertura de acessos que poderiam parar a linha de fogo).

A área ainda afetada pelo fogo não contém "frentes muito extensas, nem de grande dimensão". São, antes, "pontos quentes, com chamas numa altura de 20, 30 metros, em zonas de muito difícil acesso, onde as máquinas não chegam e onde só é possível chegar sem grandes pressões de água e outras ferramentas", explicou o comandante.

Neste momento, não há, no entanto, casas em risco, até porque "as condições meteorológicas estão a evoluir de uma forma branda".

A Proteção Civil garantiu também ter um plano b, para o caso de o vento vir a estender-se a outras localidades. Durante a parte da tarde, as rajadas de vento podem atingir os 35 quilómetros por hora, o que poderá gerar reacendimentos. O número de operacionais no terreno vai manter-se com pausas para descanso alternadas.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados