Conselho de Supervisão chumba relatório de atividades da ADSE

Falta informação fundamental para perceber o que foi feito no último ano no subsistema de saúde dos funcionários públicos.

Apesar de dar um parecer favorável às contas, o Conselho Geral e de Supervisão da ADSE chumbou, com apenas um voto contra, o relatório de atividades de 2018 apresentado pelo conselho diretivo do subsistema de saúde dos funcionários públicos e seus familiares, pedindo a sua reformulação para que reproduza de facto aquilo que foi feito.

O Conselho Geral e de Supervisão reúne os representantes dos beneficiários (que descontam para a ADSE, pagando este subsistema quase na íntegra) e elementos indicados pelos ministérios da Saúde e Finanças.

Num texto duro para com a direção, a que a TSF teve acesso, o Conselho aponta várias matérias "relevantes" em que o relatório é omisso - entre outras, auditorias do Tribunal de Contas e da IGAS, mudanças no conselho diretivo, revisão da tabela do regime convencionado.

Em paralelo não são avançadas informações sobre mudanças relevantes implementadas nesse ano, nem explicada a perda de recursos humanos que está a afetar o funcionamento da ADSE.

José Abraão, um dos representantes indicados pelas organizações sindicais que votou a favor do chumbo do relatório de atividades, explica que este precisa de uma "grande reformulação" pois sistematicamente apresenta pouca informação a quem fiscaliza a atividade do subsistema de saúde dos funcionários públicos.

O parecer do Conselho Geral e de Supervisão é obrigatório por lei, apesar de ter um caráter essencialmente consultivo, com José Abraão a sublinhar que é o dinheiro dos beneficiários que está em causa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de