Defesa de Vale e Azevedo vai recorrer da emissão de mandado de detenção

Advogada Luísa Cruz argumenta que o caminho seguido pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa "não faz qualquer sentido".

A advogada do ex-presidente do Benfica João Vale e Azevedo assegurou esta sexta-feira que vai recorrer do mandado de detenção emitido pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, que alegou a recusa do ex-dirigente para apresentação ao juiz.

"Já estávamos à espera. Esta declaração de contumácia não tem sentido nenhum e nós iremos interpor recurso da declaração de contumácia, evidentemente. Já não é a primeira vez que tentam ir por aqui, mas não faz qualquer sentido", afirmou à Lusa a advogada Luísa Cruz, sublinhando inclusivamente que a notificação por edital para Vale e Azevedo se apresentar em tribunal num prazo de 30 dias "não é válida".

Para a justiça, a atuação de Vale e Azevedo raia até a "má-fé processual", quando a sua posição, "ao longo de todo o processo (e há mais de três anos), tem sido precisamente contrária, apesar de todas diligências".

Em causa está um processo em que Vale e Azevedo responde por ter prestado falsas garantias de três milhões euros em processos judiciais e por tentar burlar o BCP, também com falsas garantias, para conseguir um crédito de 25 milhões de euros.

Há mais de três anos, desde março 2019, que o tribunal tenta, sem sucesso, notificar o ex-advogado, residente em Londres, no Reino Unido, desde junho de 2018, para julgamento.

Vale Azevedo tinha sido notificado em 30 de junho de 2022 para se apresentar em tribunal e não compareceu, pendendo agora sobre ele um mandado de detenção.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de