Depressão Bárbara provocou estragos de norte a sul, em mais de mil ocorrências

Chuva intensa afetou oito distritos e vento forte fez-se sentir em todo o território nacional na terça-feira.

A Proteção Civil contabilizou 1.016 ocorrências em Portugal continental entre as 00h00 e as 23h47 de terça-feira, provocadas pela passagem da depressão Bárbara, um dia assinalado por várias inundações devido à chuva intensa.

De acordo com fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), entre as 00h00 e as 23h47 de terça-feira foram registadas 1.016 ocorrências em todo o território continental, das quais 238 aconteceram no distrito de Faro, o mais afetado pelo mau tempo.

O distrito de Setúbal foi o segundo mais afetado pela passagem da depressa Bárbara, com 155 ocorrências contabilizadas, seguido pelo de Lisboa (154) e pelo de Portalegre (107).

Em declarações à TSF, Paulo Santos, comandante da Proteção Civil, fala num dia com muitos transtornos, especialmente por causa dos acidentes rodoviários.

As ocorrências foram, maioritariamente, inundações de superfícies por causa da chuva intensa, assim como quedas de árvores e de estruturas devido ao vento forte.

À semelhança de segunda-feira, não houve informações sobre vítimas ou infraestruturas danificadas com severidade.

Na segunda-feira, a Proteção Civil contou 510 ocorrências até às 23:59.

A depressão Bárbara atravessou o continente português durante a tarde de terça-feira, verificando-se chuva intensa em oito distritos e vento forte em todo o território nacional.

Devido à previsão de mau tempo, a ANEPC lançou um alerta à população e recomendou a adoção de comportamentos adequados à situação meteorológica.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), os distritos de Lisboa, Setúbal, Beja, Santarém, Évora, Castelo Branco e Portalegre estiveram sob aviso vermelho entre as 12h00 e as 18h00 de terça-feira devido à previsão de chuva intensa e vento forte.

O aviso vermelho corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo. Nesta situação, o IPMA recomenda que as pessoas se mantenham ao corrente da evolução das condições meteorológicas e sigam as orientações da proteção civil.

Quanto à agitação marítima, até quarta-feira será de sudoeste com dois a 3,5 metros em toda a costa, temporariamente entre quatro e 4,5 metros a sul do Cabo da Roca, passando a ser de noroeste durante quinta-feira.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de