Desde 2005 que a seca não era tão grave em Portugal, alerta presidente do IPMA

Há quase duas décadas, que Portugal continental não enfrentava uma seca tão grave. Os dados mais recentes do Instituto Português do Mar e da Atmosfera têm menos de uma semana e mostram que o continente português está todo em seca extrema ou severa.

O presidente do instituto português do mar e da atmosfera, Miguel Miranda, diz que há 17 anos que a situação de seca, em Portugal continental, não era tão grave.

"A situação de seca está a agravar-se. A 15 de junho e, comparando com o histórico, só o ano de 2005 se compara com o atual e foi um ano muito complicado em termos de verão e de riscos associados à seca. Quase todo o território do continente ou está em seca severa ou extrema, e temos bacias hidrográficas há dois anos em défice. Em termos de regiões o sul do continente e o nordeste alentejano são as que apresentam a percentagem mais baixa de água no solo".

O presidente do IPMA diz ter a indicação de que esta terça-feira à tarde se realiza uma reunião interministerial para debater o problema da seca. Miguel Ribeiro não tem dúvidas de que são necessárias medidas mais restritivas.

"Desde janeiro que as autoridades que gerem a água estão numa situação progressiva de contenção, tínhamos esperança que houvesse uma pequena recuperação, mas isso não veio a verificar-se. É provável que as decisões a tomar sejam ainda mais restritivas e na continuação das anteriores, o que significa que não pode haver nenhuma situação em que seja permitido aumentar significativamente os consumos da água armazenada. As medidas terão a ver com restrições de utilização na agricultura, mas também não pode ser de forma dramática, porque sem agricultura não temos alimentação e essencialmente campanhas dirigidas à população, para que haja consumos moderados e percebam que a água é pouca e tem que chegar para todos".

Hoje começa o verão e os próximos dias não trazem boas notícias para a escassez de água. Miguel Miranda explica que na próxima semana são esperadas temperaturas muito acima do normal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de