Detida por tentativa de homicídio mulher suspeita de abandonar recém-nascido no lixo

Mulher de 22 anos está indiciada por tentativa de homicídio qualificado. Vive nas ruas e terá escondido a gravidez.

A Polícia Judiciária deteve uma mulher suspeita de ter abandonado o filho recém-nascido num caixote do lixo em Lisboa.

Em comunicado, a PJ avança que a mulher, de 22 anos de idade, foi detida "por fortes indícios da prática de homicídio qualificado, na forma tentada, vitimando uma criança do sexo masculino, recém-nascido, seu filho".

Em conferência de imprensa esta manhã, a PJ acrescentou que a mãe do bebé "vive em condições muito precárias na via pública" e terá escondido a gravidez e o parto, que decorreu na rua, nas imediações do local onde o bebé foi encontrado.

Paulo Rebelo, representante da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo da Polícia Judiciária, referiu ainda que a mulher não apresentava indício de abuso de álcool ou drogas quando foi detida.

O caso remonta a terça-feira, quando o bebé foi encontrado por uma pessoa sem-abrigo no interior de um contentor junto a uma discoteca na Avenida Infante D. Henrique, em Santa Apolónia.

Segundo o comissário André Serra, do comando metropolitano de Lisboa da PSP, o recém-nascido "estava sem qualquer tipo de proteção, sem roupa ou agasalho" e aparentava não ter recebido "qualquer tipo de assistência médica" durante o parto.

Uma pessoa sem-abrigo ouviu um barulho proveniente de um caixote do lixo, espreitou para dentro do contentor e descobriu o bebé, tendo sido ajudada por outra pessoa que estava a passar e assistiu a tudo.

O bebé foi transportado para a urgência de pediatria do Hospital Dona Estefânia, onde recebeu "cuidados quase mínimos" e depois transferido para a Maternidade Alfredo da Costa. É saudável e pode ter alta já esta sexta-feira.

Esta quinta-feira o responsável pela unidade de cuidados intensivos neonatais do Hospital Dona Estefânia, Daniel Virella, explicou que "clinicamente não há nada que impede" a alta do bebé, mas esta depende da decisão do Estado para o acolher, nomeadamente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ).

A suspeita vai ser presente a primeiro interrogatório judicial, no qual será sujeita à aplicação das medidas de coação processual adequadas. Incorre no crime de exposição ao abandono de menor ou de infanticídio, dependendo da motivação do abandono.

O Ministério Público anunciou a instauração de um inquérito para averiguar o caso, que "corre termos no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] de Lisboa", referiu a Procuradoria-Geral da República à agência Lusa.

Notícia atualizada às 12h11

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados