DGS deve decidir sobre terceira dose e vacinação de crianças "a muito breve prazo"

Lacerda Sales assinala a necessidade de consolidar dados sobre a vacinação ao mesmo tempo que há uma resposta à dinâmica à realidade.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou esta segunda-feira que a Direção-Geral da Saúde ainda não chegou a qualquer conclusão sobre a necessidade de uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 nem sobre a vacinação das jovens entre os 12 e os 15 anos e reiterou que "é necessário haver consolidação dos dados científicos e uma maior robustez científica" para tomar decisões.

"Para tomarmos decisões certas no tempo adequado é necessário que estes dados e que esta consolidação seja feita", disse António Lacerda Sales aos jornalistas, no final da sessão comemorativa do Dia do Município de Gouveia.

"Caminhamos no sentido de consolidar esses dados e estou convencido de que a muito breve prazo a DGS tomará a sua decisão", afirmou o governante, antes de assinalar: "No dia de hoje não há uma decisão definitiva, mas no dia de amanhã ou depois de amanhã pode haver [uma decisão]." Há outros países que "já tomaram diferentes opções", enquanto Portugal aguarda e "ganha algum tempo", assinalou também.

Questionado se o aumento de surtos em lares pode justificar a inevitabilidade de uma terceira dose da vacina, explicou que "na imunidade existem muitos fatores e muitos critérios".

"É da consolidação de todos estes dados, da importância que também têm os estudos serológicos em lares e noutros segmentos", que "sairá uma decisão, no tempo certo, e a decisão certa, no momento adequado", acrescentou.

Segundo António Lacerda Sales, também relativamente à vacinação na faixa etária entre os 12 e os 15 anos "todos os dias vão surgindo dados novos" e "há uma adaptação à realidade que tem de ser muito dinâmica".

"Ainda este fim de semana surgiram estudos, nomeadamente norte-americanos, em que não havia sinais de alerta, grandes sinais de risco, relativamente à vacinação desta faixa dos 12 aos 15 e também estudos a nível europeu", afirmou.

O secretário de Estado mostrou-se confiante de que serão cumpridas as metas para, no final de setembro, Portugal atingir 85% da população vacinada.

Nesse âmbito, pediu aos jovens com 16 e 17 anos que autoagendem a sua vacinação, apesar de estarem em período de férias.

"Para nós é muito importante que, nas próximas três semanas, as pessoas se auto agendem para poderem ser vacinadas", sublinhou.

Esta segunda-feira, o secretário de Estado explicou ainda que serão feitos testes de diagnóstico aos professores, para que o próximo ano letivo possa iniciar-se em segurança e referiu que o objetivo do Governo é "continuar a testar, não só em lares, mas em muitos segmentos da atividade económica e não só".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de