DGS reconhece "risco acrescido" de contágio por pessoas assintomáticas

Graça Freitas adianta que Portugal faz muitos testes a pessoas assintomáticas.

Portugal é dos países que descobre mais casos assintomáticos de Covid-19, afirmou esta quarta-feira a diretora-geral da Saúde, apontando que são um "risco acrescido" de transmissão da doença porque não se protegem nem permitem que os outros se protejam.

"Se há país onde as pessoas assintomáticas são detetadas é em Portugal", afirmou Graça Freitas numa conferência de imprensa no Ministério da Saúde, citando um "estudo muito recente de uma instituição muito prestigiada inglesa", sem referir números.

"Nós fazemos testes dirigidos a muitas pessoas assintomáticas. Estamos a investigar fortemente os surtos, quando detetamos um caso positivo, vamos à procura de mais casos", afirmou Graça Freitas, indicando que as pessoas sem sintomas mas infetadas "podem transmitir a doença".

Graça Freitas salienta ainda que os assintomáticos "constituem um risco acrescido" e não se sabe "exatamente o grau com que as pessoas assintomáticas propagam a doença".

"Temos que estar muito atentos a esta probabilidade de transmissão. O que sabemos é que os casos transmitem-se mais facilmente em ambientes fechados, pouco arejados, com determinada taxa de humidade e que não recebem luz natural. Quanto mais confinado o espaço, maior a probabilidade de sintomáticos ou assintomáticos transmitirem a doença", apontou.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 544 mil mortos e infetou mais de 11,85 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.631 pessoas das 44.859 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de