DGS responde a Marcelo. António Costa está isolado pelo "princípio da precaução"

Norma em vigor pode, no entanto, ser alterada, se a evolução da pandemia permitir.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) justifica-se com o "princípio da precaução em Saúde Pública, no atual momento epidemiológico", para explicar o isolamento imposto a António Costa por contacto com dois infetados com Covid-19, apesar de estar vacinado, ter o certificado da vacinação e um teste negativo.

As explicações tinham sido pedidas pelo Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa disse que o caso do primeiro-ministro "tem de ser explicado, para que não haja a ideia errada de que a vacina não serve para nada".

À TSF, a DGS justifica-se com o "princípio da precaução" e com aquilo que está previsto em duas normas: "as pessoas vacinadas são abordadas, no que diz respeito ao isolamento e testagem, respetivamente, da mesma forma que as pessoas não vacinadas".

A Direção-Geral da Saúde (DGS) refere, contudo, que "esta matéria encontra-se presentemente em discussão e poderá ser atualizada com base na evolução da evidência científica e se a situação epidemiológica assim o suportar".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de