Diplomacia da saúde "não é uma opção", é uma "necessidade"

A ministra da Saúde apontou a importância da "solidariedade global" no combate às ameaças à saúde pública.

A ministra da Saúde, Marta Temido, sublinhou esta quinta-feira que a diplomacia da saúde "não é uma opção" dos Estados, mas sim uma "necessidade compartilhada", pois os desafios da saúde global "transcendem fronteiras".

Na abertura de uma conferência virtual sobre o reforço do papel da União Europeia (UE) na saúde global, organizada no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da UE, Marta Temido abordou as lições que pandemia de Covid-19 trouxe, nomeadamente que "a saúde não conhece fronteiras".

"Portanto, a diplomacia da saúde não é uma opção dos Estados. Em vez disso, é uma necessidade compartilhada. Os desafios da saúde global transcendem fronteiras e também as clássicas divisões norte-sul, este-oeste, expondo as limitações das abordagens segmentadas", assinalou.

A ministra apontou ainda à necessidade de "estratégias mais inclusivas, abrangentes e coordenadas para enfrentar os novos desafios" e, ao mesmo tempo, a importância da "solidariedade global" no combate às ameaças à saúde pública global.

Daí o facto de "nenhum Estado estar seguro até que todos estejam seguros" e, nesse sentido, "a UE esteve e continuará empenhada" no objetivo da solidariedade além-fronteiras, reforçando "a influência fortalecedora da União na saúde global e também na diplomacia da saúde", apontou.

Marta Temido assegurou ainda que o Conselho da UE, a que Portugal preside até junho, assume um "compromisso claro" com vista a reforçar um "multilateralismo eficaz", tendo em conta que a saúde atravessa várias áreas, como a "política externa", o "desenvolvimento", a "segurança", a "agricultura", o "meio ambiente" ou a "proteção civil".

A ministra da saúde participou hoje na abertura da conferência "Reforçar o papel da UE na saúde global", que contou ainda com a intervenção do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e, através de mensagens gravadas, do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, e da vice-secretária-geral das Nações Unidas, Amina Mohammed.

A conferência, que decorre no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da UE, abordará temas como a saúde global em tempo de pandemia, as alianças estratégicas UE-África, nomeadamente no acesso a vacinas, e a promoção da cobertura universal em saúde.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de