Diretora-geral da Saúde garante "avaliação rigorosa" à mortalidade infantil

Nos primeiros três meses deste ano já morreram 75 bebés, menos dois do que em igual período do ano passado.

A Direção-geral da Saúde garante que está a ser feita uma avaliação rigorosa, "caso a caso", aos números recentes da mortalidade infantil. Em declarações à TSF, o presidente do colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos afirmou que o tratamento estatístico feito até agora é "insuficiente" e que a DGS deve fazer uma avaliação pormenorizada.

Ouvida pela TSF, a Diretora-Geral da Saúde não entende as críticas da Ordem. "Creio que há um equívoco porque a crítica de que a informação é insuficiente tem por base o relatório que é preliminar", indicou Graça Freitas, garantindo que haverá nova reunião com os peritos para apurar os dados.

A Diretora-geral da Saúde esclareceu que este tipo de investigação "tem o seu timing", explicando que "não há nada de forma significativa que nos deixe tirar conclusões".

Apesar de não serem ainda conhecidas todas as causas concretas para o aumento da mortalidade infantil, Graça Freitas admite que há sinais que apontam, desde já, para alguns motivos. "A idade das mães que é, crescentemente, mais elevada, acima dos 35 e 40 anos. Essa é uma tendência social e demográfica", apontou.

A ministra da Saúde, Marta Temido, defende que é preciso "escalpelizar até ao limite cada caso". Nos primeiros três meses deste ano já morreram 75 bebés, menos dois do que em igual período do ano passado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de