Dominado fogo em Miranda do Corvo após "precipitação intensa no local"

As operações de rescaldo contam com quase 600 operacionais no terreno.

O incêndio florestal que deflagrou na sexta-feira em Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra, foi dominado, pelas 17h00, após se ter registado "precipitação intensa no local", avançou à Lusa fonte da Proteção Civil.

Destacando o "forte empenho de operacionais", Paulo Santos, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), disse que a "instabilidade atmosférica acabou por contribuir" no combate às chamas em Miranda do Corvo, com o fogo a ser dominado pelas 17:00, depois de mais de 22 horas a lavrar numa "área considerável".

Pelas 17h30, estavam a ser realizadas "operações de rescaldo", com 588 operacionais no terreno, apoiados por 176 meios terrestres e três meios aéreos, segundo informação da ANEPC.

De acordo com Paulo Santos, o fogo em Miranda do Corvo resultou em "centenas de hectares de área ardida".

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra, o incêndio, que deflagrou às 18h22 de sexta-feira, perto da aldeia de Moinhos, "esteve sempre em zona florestal" e não houve casas em risco.

Além do incêndio em Miranda do Corvo, a Proteção Civil destaca como ocorrências importantes a nível nacional, pelas 17h30 de hoje, dois fogos no concelho de Cabeceiras de Basto, no distrito de Braga, dos quais apenas um estava ativo pelas 17h30.

Na localidade de Eirô, em Celorico de Basto, o fogo deflagrou cerca das 11h00 de hoje e mantinha-se ativo pelas 17h30, mobilizando 91 operacionais, 27 veículos, e dois meios aéreos.

Ainda no concelho de Celorico de Basto, na localidade de Torneiros, o incêndio florestal, que deflagrou pelas 14h00 de hoje, está dominado, mas mantêm-se no local 51 operacionais e 17 meios terrestres.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de