Empresa dos Açores une biologia e tecnologia numa planta

É alta, esguia, verde, tem formato cilíndrico, mas não tem folhas, nem um vaso com terra. Está pousada numa base com um painel fotovoltaico a seus pés e faz parte do cenário da Câmara Municipal de Ponte Delgada, que recebeu, na semana passada, esta planta biotecnológica, pensada e produzida nos Açores.

Imitando a natureza, esta planta biotecnológica, concebida em dois meses, resulta da combinação de duas tecnologias, painel solar e fotobioreator inoculado com microalgas. Ela captura energia solar, faz fotossíntese, sequestra CO2 e liberta oxigénio.

O projeto nasceu no início do ano, durante o confinamento. O isolamento da pandemia foi adubo para Luís Filipe Teves desenvolver a ideia.

A planta foi oferecida à Câmara Municipal de Ponta Delgada e é exemplar único.

O seu inventor, Luís Filipe Teves, não descarta um futuro em que qualquer um de nós pode ter, também, em casa uma planta biotecnológica.

Por agora, não há planos para uma produção massificada desta planta que é exemplo de um casamento perfeito entre a biologia e a tecnologia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de