Enfermeiros acusam Governo de querer aumentar horários de trabalho

Em causa está um despacho que afeta cerca de 2500 enfermeiros das Unidades de Saúde Familiares Modelo B.

O despacho foi publicado pela Secretária de Estado da Saúde no dia 21 deste mês e, segundo o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses(SEP) o Governo está desta forma a pressionar as Administrações Regionais de Saúde e os Centros de Saúde a aumentarem o horário de trabalho dos enfermeiros para além das 35 horas. José Carlos Martins,presidente do sindicato, considera a decisão" inadmissível, inqualificável e uma forma encapotada" de pressionar para que os enfermeiros trabalhem para além do que está decidido por lei.

O problema é nacional mas no Algarve, em concreto, segundo relata Nuno Manjua, dirigente do sindicato a ARS foi ligeira a dar a ordem.

"A pressa foi tanta por parte do presidente da ARS/Algarve para impor as 40 horas que encaminhou esta decisão para os conselhos executivos dos Centros de Saúde 2 dias antes de sair o despacho do Governo". Pior do que isso, refere o sindicalista, no documento a ARS da região sul refere que o incremento do horário de trabalho deve ser "no mínimo" de 40 horas semanais.

Por esta medida serão afetadas todas as Unidades de Saúde Familiares modelo B existentes no País e cerca de 2.500 enfermeiros.

José Carlos Martins sublinha que, se a razão para esta medida é o aumento da lista de utentes, o Governo pode pagar horas extraordinárias aos enfermeiros ou contratar mais profissionais. O sindicalista deixa o apelo aos profissionais de enfermagem para que " resistam" e admite todas as formas de luta, incluindo greves.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de