"Assustador." Enfermeiros do Hospital de Faro pedem "escusa de responsabilidade"

Uma decisão "assustadora", é assim que a direção do Centro Hospitalar Universitário do Algarve recebe a carta enviada por cerca de metade dos enfermeiros do serviço de urgência daquela unidade de saúde.

Foram "pelo menos 30 os enfermeiros" que assinaram uma carta na qual não se responsabilizam pelo que poderá acontecer aos pacientes que derem entrada no serviço do hospital de Faro. O número é avançado à TSF pela administração do hospital.

Na carta a que a TSF teve acesso, os profissionais dizem "não reunir condições para prestar cuidados de enfermagem em segurança" e por isso "os enfermeiros do serviço de urgência, enviam em anexo a sua declaração de escusa de responsabilidade para todos os devidos e legais efeitos".

A justificar esta decisão estão uma série de razões, nomeadamente a sobrecarga de trabalho e, entre outras, défices nos rácios enfermeiro/paciente e enfermeiro/médico.

À TSF, Mariana Santos, enfermeira diretora do Centro Hospitalar Universitário do Algarve começa por responder à escusa da responsabilidade dos enfermeiros garantindo que os utentes não deixarão de ser tratados. Mariana Santos admite, contudo, que é um sinal "assustador, mas obviamente todos os utentes irão ter o seu atendimento de acordo com as suas necessidades".

Quanto às razões que levam os enfermeiros do serviço de urgência a tomar uma posição tão drástica, a direção do Centro Hospitalar Universitário do Algarve culpa a pandemia pelo excesso de trabalho que os profissionais estão a sentir.

Um cansaço compreensível, diz Mariana Santos, que afirma "reconhecer a exaustão das pessoas, mas infelizmente continuamos a ter surtos e picos da pandemia que nos obrigam a desmantelar equipas para constituir outras que respondam às diferentes situações".

Um problema que só pode ser resolvido com a contratação de mais profissionais. De acordo com a administração hospitalar, ainda ontem foi dada luz verde para a contratação de "25 novos enfermeiros", com outros a caminho à espera de ver resolvida burocracia.

Mas mais enfermeiros estivessem disponíveis, mais seriam contratados garante a enfermeira diretora do Centro Hospitalar Universitário do Algarve. O problema diz é que "não existem enfermeiros para contratar".

A situação preocupa a administração do Hospital, tanto assim que, afirma Mariana Santos, com o objetivo de reforçar as atuais equipas, "conseguimos enviar um email a cada um dos finalistas de enfermagem da maior parte das Escolas de Enfermagem do país, a pedir a colaboração e a sensibilizá-los para trabalhar no Centro Hospitalar Universitário do Algarve".

Um esforço de contratação que chega até além-fronteiras. A administração hospitalar garante já ter pedido ajuda ao cônsul espanhol e à Ordem dos Enfermeiros de Espanha para tentar encontrar profissionais que queiram trabalhar no Algarve.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de