Feira Popular já tem preço do bilhete, mas continua sem data para abrir

Estudo de impacto admite que zona escolhida, em Carnide, não é a mais atrativa e tem falta de estacionamento.

Anunciado há quatro anos pela autarquia, o projeto de construção da nova Feira Popular de Lisboa na última semana em consulta pública e já prevê o preço de entrada no recinto, mas continua sem data previsível para a abertura. Dezasseis anos depois do fecho da velha Feira Popular da capital, que funcionava em Entrecampos, o estudo de impacto ambiental que estará em consulta pública até 30 de janeiro de 2020 estima que a obra de construção dure no máximo dois anos, admitindo, contudo, que ainda não é possível "estimar com exatidão" quando é que as obras arrancam.

Antes de arrancar com os trabalhos no terreno será preciso escolher a empresa que vai receber a concessão do espaço, em Carnide (9,4 hectares), durante 30 anos. Fazendo as contas só ao tempo que deverá demorar a decisão sobre o impacto ambiental do projeto, dificilmente a nova Feira Popular abrirá portas antes de 2022.

Entrada a 2,50 euros

O estudo apresentado pela Câmara de Lisboa, lido pela TSF, revela, no entanto, um preço para um "acesso simples" ao recinto da Feira Popular de Lisboa: 2,50 euros, apesar de poderem existir tarifários fixos para usar as atrações, além de entradas gratuitas para crianças com menos de três anos e reduções para idosos, famílias e grupos numerosos.

Com base num estudo feito em 2016, a autarquia prevê receitas anuais de 33 milhões de euros e a criação de 600 empregos.

Mais visitantes que o Zoo ou o Oceanário

Os visitantes anuais podem ir de 1,3 milhões ("cenário conservador com base no último ano de funcionamento da Feira Popular em Entrecampos") a 2,5 milhões, ou seja, bem mais que o Jardim Zoológico (um milhão) ou o Oceanário (1,4 milhões).

O estudo de impacto ambiental, com mais de quinhentas páginas, prevê impactos negativos "limitados", "minimizáveis" e "geríveis", compensados com relevantes impactos positivos para a economia da região, numa obra que vai nascer numa zona de fronteira entre os concelhos de Lisboa, Amadora e Odivelas.

O documento também admite, contudo, que, em comparação com outras localizações excluídas, a zona de Carnide onde vai nascer a nova Feira Popular tem pontos fracos. Entre eles contam-se a pouca atratividade turística da zona, o preconceito de ser uma área dormitório e a ideia de insegurança noturna, bem como a falta de uma estrutura de estacionamento adequada às necessidades de uma feira que se prevê que atraia milhares de pessoas por dia perto de uma área habitacional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de