Fuga para a Páscoa? Um milhão de portugueses dormiu fora de casa entre quinta e sexta-feira

Houve aumento significativo de pessoas a fazerem deslocações longas à beira do arranque da proibição de circular entre concelhos.

Mais de 1 milhão de portugueses dormiram na última noite fora de casa, ou seja, mais cerca de 400 mil que nos dias anteriores.

Os cálculos são da consultora PSE, uma empresa que desenvolveu uma ferramenta tecnológica que procura acompanhar a mobilidade dos portugueses.

Numa altura em que o Governo quer que a população fique em casa na Páscoa e desde a meia-noite que não se pode estar fora do concelho de domicílio, milhares parecem preparar-se para fazer o contrário, já sendo quase certo que em 2021 esta época festiva vai ter muito mais pessoas fora de casa do que no ano passado, quando Portugal enfrentava a primeira onda da pandemia.

Apesar dos apelos das autoridades, 10,7% dos portugueses dormiram de quinta para sexta-feira a mais de 100 quilómetros de casa, bem mais que nos dias anteriores.

Nuno Santos, especialista em mobilidade da PSE, explica à TSF que por norma há sempre algumas pessoas que por diversas razões - como o trabalho - dormem fora de casa.

Contudo, aquilo que aconteceu de pouco comum de quinta para sexta-feira é que a percentagem disparou para bem mais do que os habituais 6,7%, 6,8% ou 6,9% dos dias anteriores.

"Houve efetivamente um aumento estatisticamente significativo, mesmo que ainda aquém da normalidade pré-pandemia, das deslocações para passar dormidas e estadias fora da área de residência, numa subida de mais de 50% na comparação com o valor médio que costumamos ter ao longo da semana", detalha Nuno Santos.

O índice de mobilidade que compara a mobilidade desse dia com a chamada mobilidade normal também subiu para 88%, mais que nos dias anteriores, mas além disso os números revelam que "a população que circulou circulou muito mais, fazendo mais deslocações e perdendo mais tempo em deslocações".

Noutro indicador, os portugueses com aquilo a que a análise da PSE classifica como uma "elevada mobilidade" chegaram, ontem, a 30%, o que não sendo muito mais do que num dia médio desta primeira fase de desconfinamento (+3 ou 4 pontos percentuais) revela, contudo, que "dentro deste grupo existiram mais pessoas a fazer deslocações de maior distância".

Tendências que revelam mais saídas de casa e para viagens mais longas na quinta-feira, à beira do início da proibição, à meia-noite, durante 11 dias, de circular entre concelhos, apesar de ainda ter existido um número significativo de portugueses (38%) que não saiu ou pouco se afastou do seu domicílio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de