Governo garante que Portugal está preparado para enfrentar o coronavírus

Augusto Santos Silva garante que caso se confirmem casos no país, está pronto um plano de contingência para combater o surto.

O ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu esta quarta-feira que Portugal está preparado para uma eventual "entrada" do coronavírus Covid-19 no país, com um plano de contingência pronto a ser ativado, mas que este é um problema global que exige ações concertadas.

Escusando-se a comentar as declarações feitas na terça-feira pelo Presidente da República, nas quais Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o Covid-19 pode transformar-se num "problema europeu", o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou que o coronavírus "já é um problema global" que só pode ser enfrentado com ações concertadas.

A Organização Mundial de Saúde "está a coordenar um esforço interno muito importante, quer de apoio aos países que mais têm sofrido com esta epidemia, a começar pela República Popular da China, quer na concertação das ações que tomamos para permitir o estancamento primeiro e depois a redução e eliminação" da epidemia, disse à saída de uma comissão parlamentar sobre assuntos europeus.

Augusto Santos Silva também sublinhou a cooperação entre países europeus, referindo as reuniões semanais para controlo feitas pelos Estados-membros da União Europeia, e não descartou a eventual necessidade de encerrar fronteiras.

"Vivemos num espaço europeu em que uma das grandes riquezas é ser um mercado único e um espaço de livre circulação", mas "evidentemente, esse espaço de livre circulação tem de ser compatível com medidas técnicas que sejam necessárias para evitar a transmissão de doença", afirmou.

Lembrando que o controlo de fronteiras não é uma responsabilidade do seu ministério, Santos Silva adiantou que é preciso agir "com cautela" e adaptar "as medidas à evolução do conhecimento que vamos tendo, às sugestões que fazem as pessoas que têm capacidade técnica para lidar com estes fenómenos e também em função da coordenação com os parceiros europeus"

"O que faz sentido é que a decisão seja articulada", reforçou, explicando a vontade expressa por alguns países de fechar fronteiras só seria incompatível com as regras europeias se fossem decisões unilaterais.

"Nós beneficiaremos se a nossa decisão for consertada e é nesse trabalho de concertação que estamos empenhados ao nível europeu", concluiu.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de pelo menos 2.763 mortos e cerca de 81 mil infetados, de acordo com dados reportados por mais de 40 países e territórios.

Outras Notícias

Patrocinado

Apoio de

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de