Graça Freitas desvaloriza risco de cumprimentos com o cotovelo

Diretora-geral da Saúde defende que cumprimento não apresenta riscos.

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde partilhou no Twitter, este fim de semana, um alerta que indica que os cumprimentos com o cotovelo são para evitar e recomendou, em alternativa, que se leve a mão ao coração. Uma opinião que foi contrariada esta segunda-feira pela diretora-geral da Saúde, que considera este já popular cumprimento como "rápido e lateral".

"Não me parece que constitua risco, é muito fugaz, esporádico e de baixo risco. Um contacto de alto risco implica contacto mais prolongado e face a face", explicou Graça Freitas na conferência de imprensa.

Segundo o alerta da OMS, o cumprimento com o cotovelo não cumpre as regras de distanciamento e, por isso, não é seguro.

"As cotoveladas colocam-nos a menos de um metro de distância da outra pessoa. O toque de cotovelo é uma saudação de mau gosto, anti-higiénica, que não cumpre as normas de distanciamento", já tinha defendido Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

Tweet partilhado por Tedros Ghebreyesus este fim de semana:

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de