Guardas prisionais iniciam greve de uma semana em Custóias

Pagamento do subsídio extraordinário de risco Covid e meios para controlo dos certificados digitais estão nas reivindicações dos guardas.

Os guardas prisionais iniciam esta segunda-feira uma greve de uma semana que vai afetar apenas o Estabelecimento Prisional do Porto, em Custóias, e que deve repetir-se entre 30 de dezembro e 5 de janeiro.

Em declarações à TSF, o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, Carlos Sousa, explicou que só estão garantidos os serviços mínimos e "o bar, por exemplo, não vai funcionar".

As diligências aos hospitais não devem ser afetadas, assim como as visitas, que nesta época de Natal "não iriam ter a mesma afluência de outros anos" devido ao distanciamento e acrílicos, que já foram repostos nas salas de visita.

Os guardas reivindicam o pagamento do subsídio extraordinário de risco Covid. "Tivemos casos de guardas a receber 2,80 euros por x meses de trabalho em contacto direto com infetados Covid", revela Carlos Sousa. Dos "seis estabelecimentos prisionais que estariam diretamente afetados por esse pagamento errado", foi o do Porto "que sofreu mais duramente".

Outra das reivindicações passa pela falta de meios para fiscalizar o uso dos certificados digitais nas portarias porque, defendem os guardas, o "nível de segurança de um estabelecimento prisional deve ser um pouco superior à entrada num restaurante."

A greve iniciada esta segunda-feira prolonga-se até ao dia 26 de dezembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de